A Argentina definiu ontem a Cidade do Galo – CT do Atlético-MG – como sua casa durante a estada para a Copa do Mundo no Brasil, no ano que vem. O time de Messi foi o primeiro a ofocializar um local como QG. As outras seleções ainda continuam em um período de avaliação e o Paraná faz parte deste roteiro.

No Estado, há seis lugares disponibilizados pela Fifa: O CT do Caju e a Vila Capanema, em Curitiba; o CT da SM Sports, em Londrina; e os estádios Willie Davids, em Maringá; Olímpico Regional, em Cascavel, e Pedro Basso, em Foz do Iguaçu. Este último entrou na lista apenas em agosto e será oficializado no terceiro catálogo oficial da Fifa, em novembro.

A maior procura é pelo CT do Caju, do Atlético. Até agora, emissários de mais de dez seleções, entre elas França, Colômbia e Estados Unidos, já visitaram o local. A última foi a delegação da Espanha, atual campeã mundial, que esteve lá no domingo passado. Amanhã, é a vez do Chile. Hoje, membros ligados à equipe chilena farão uma análise do CT de Londrina.

Maringá e Foz do Iguaçu também chamaram a atenção, principalmente dos orientais. Japão e Coreia do Sul, respectivamente, já visitaram as instalações das duas cidades do interior, enquanto Cascavel e a Vila Capanema ainda não tiveram vistorias marcadas. Além dos cinco locais definidos pela Fifa como apropriados para hospedar seleções, outros três campos foram selecionados para servir de treinamento às equipes em Curitiba: o Couto Pereira, o CT da Graciosa e o Trieste Stadium. No entanto, os chamados Campos Oficiais de Treinamentos (COTs) só poderão ser usados para treinamento às vésperas dos jogos na capital paranaense.

No total, a Fifa deve aprovar e disponibilizar 75 CTs em todo o Brasil. De acordo com o mais recente catálogo oficial, eram 70, mas de lá pra cá outros cinco, incluindo Foz, serão incluídos. A maioria destes CTs está em São Paulo, que conta com 29 opções.