Dida deve começar no gol na disputa
das eliminatórias para a Copa do Mundo.

A Seleção Brasileira chegou ontem às 18h no aeroporto de Guadalajara, e enfrenta, amanhã, o México, no terceiro amistoso sob o comando de Carlos Alberto Parreira. Diego e Robinho foram o centro das atenções durante o embarque do selecionado verde-amarelo, domingo à noite, em São Paulo. Aproximadamente 50 torcedores foram prestigiar a dupla santista. Os mais novos integrantes aproveitaram o vôo para se adaptarem aos jogadores e a comissão técnica da seleção.

A seleção brasileira fará apenas um treino antes do amistoso. O técnico Parreira comanda a equipe hoje às 19h, no estádio Jalisco, o local do jogo com os mexicanos. A partida está marcada para as 22h.

Interrogarório

O coordenador-técnico Zagallo enfrentou uma situação desagradável durante a passagem da seleção brasileira pelo aeroporto de Los Angeles – a delegação fez escala na cidade para a viagem ao México.

Como o seu visto de entrada nos Estados Unidos tinha sido emitido na embaixada do país na Arábia Saudita (da época em que ele trabalhou por lá), Zagallo foi interrogado por cerca de 1 hora pelo serviço de imigração dos EUA, preocupado com a ameaça de terrorismo por causa do conflitos no Golfo Pérsico.

Por conta do interrogatório, que não teve maiores conseqüências, Zagallo ficou isolado do resto da delegação durante o período que a seleção brasileira esteve no aeroporto de Los Angeles.

Dida é o dono da camisa um

Após as últimas boas atuações pelo Milan, o goleiro Dida passa à frente de Marcos e se torna favorito para iniciar as eliminatórias como número 1 do Brasil. O baiano de 29 anos foi “ajudado” pelo episódio que envolveu o palmeirense na semana passada.

Ontem, ao chegar a Guadalajara, no México, o técnico Carlos Alberto Parreira afirmou para a Agência Estado ter ficado bastante aborrecido com a situação. Tanto com o Palmeiras quanto com o jogador. “Esse caso foi mal explicado, tudo bem que existe essa história do avião (que pode prejudicar o quadro de bronquite), mas não pegou bem o fato de ele ter pedido dispensa na quinta-feira e jogado no sábado (contra o Brasiliense, na estréia da série B)”, declarou o treinador, enquanto dava autógrafos, no Aeroporto de Guadalajara.

Marcos apresentou um início de bronquite no mês passado, quando foi a Portugal com a seleção. O médico do time nacional, José Luiz Runco, pediu a ele que consultasse um pneumologista. O goleiro já vinha tendo problemas respiratórios e, por isso, o especialista que o atendeu lhe recomendou que não fizesse viagens longas de avião. Runco acatou o pedido, aceitou sua dispensa e, então, Parreira convocou Júlio César.

“Acho que ele não deveria ter jogado contra o Brasiliense”, insistiu o técnico. “Isso me aborreceu, mas as portas da seleção não serão fechadas para ele”, garantiu. O comandante do Brasil lembrou que Júlio César, por exemplo, cometeu um ato desrespeitoso com os colegas ao sair com a bola até o ataque, na semifinal do campeonato carioca, entre Flamengo e Fluminense, e nem por isso teve as portas da seleção fechadas. “Temos ótimos goleiros e a briga vai ser muito boa.” Embora Parreira prefira não antecipar nada, Dida é hoje seu número 1 e, se nada de anormal ocorrer, iniciará as eliminatórias, em setembro, como titular. Amanhã, contra o México, às 22h (de Brasília), ele tem presença confirmada. O fato de estar jogando, e bem, pelo Milan pesa em seu favor. É titular absoluto e vem conquistando excelentes resultados. Na semana que vem, inicia a disputa por uma vaga na final da Copa dos Campeões da Europa.

E Marcos tem como fator contrário o rebaixamento do Palmeiras no ano passado. Disputar uma segunda divisão pode ser desmotivante para um goleiro que foi campeão mundial há menos de um ano. “Tudo vai depender dele, do que fizer nesses jogos da série B”, disse o treinador, referindo-se a futuras convocações.

Parreira não gostou da atuação do palmeirense contra o Vitória na derrota por 7 a 2, na quarta-feira, mas disse que não vai avaliar um atleta por apenas um jogo. Em relação ao 7.º gol que sofreu, ao tentar chutar a bola e furar de maneira bisonha, Parreira reconheceu displicência. “Naquela hora ele já havia largado…” A hegemonia de Marcos no gol brasileiro vinha durando havia quase dois anos. Começou em julho de 2001, depois que Luiz Felipe Scolari assumiu o cargo de treinador. Mesmo após a desastrosa campanha do time na Copa América, na Colômbia, quando foi eliminado por Honduras na segunda fase, o goleiro nunca foi ameaçado.

Na lista de favoritos da comissão técnica, Dida é o primeiro e Marcos, o segundo. Depois aparecem Júlio César, Rogério Ceni e Fábio Costa. O santista vive excelente momento e não foi chamado, segundo Parreira, para preservar o Santos, que já teve outros dois convocados, Diego e Robinho.

Zagallo vira suspeito de terrorismo em Los Angeles

O coordenador-técnico Zagallo enfrentou uma situação desagradável durante a passagem da seleção brasileira pelo aeroporto de Los Angeles a delegação fez escala na cidade para a viagem ao México, onde disputa amistoso amanhã. Como o seu visto de entrada nos Estados Unidos tinha sido emitido na embaixada do país na Arábia Saudita (da época em que ele trabalhou por lá), Zagallo foi interrogado por cerca de 1 hora pelo serviço de imigração dos EUA, preocupado com a ameaça de terrorismo por causa do conflitos no Golfo Pérsico.

Por conta do interrogatório, que não teve maiores conseqüências, Zagallo ficou isolado do resto da delegação durante o período que a seleção brasileira esteve no aeroporto de Los Angeles. Mas, liberado pelo serviço de imigração, o coordenador-técnico pôde seguir normalmente com o grupo para o México. O único porém foram as piadas que teve de ouvir do resto da equipe por causa do ocorrido.

A seleção brasileira fará apenas um treino antes do amistoso de amanhã, em Guadalajara. Será hoje, às 19h (horário de Brasília), no estádio Jalisco, o local do jogo com os mexicanos.