Mônaco – Com cinco vitórias em cinco corridas, quatro poles e quatro melhores voltas na temporada, Michael Schumacher está perto da perfeição. A avaliação é dele mesmo. Em entrevista ao jornal italiano La Gazzetta dello Sport, o alemão deixou a modéstia de lado e falou que, embora sempre haja alguma coisinha para melhorar, chegou muito próximo do que se pode considerar “perfeito” na Fórmula 1.

“A perfeição absoluta não existe”, disse o hexacampeão mundial da Ferrari. “Gostaria de chegar lá e estou perto, é verdade. Hoje corro contra eu mesmo.” Assim, Michael descartou de vez seus adversários. Começou o ano achando que teria um rival à altura em Rubens Barrichello, depois transferiu a responsabilidade de batê-lo para Jenson Button, da BAR, e agora não vê mais ninguém que possa ameaçá-lo.

E ninguém pode acusá-lo de prepotência. A verdade é que os outros 19 pilotos não arranham seu favoritismo e já se especula se ele será capaz de vencer todas as provas do mundial. Algo em que nem Jean Todt, seu chefe e maior fã, acredita. “Uma hora a Ferrari vai falhar”, diz o francês.

Para Barrichello, a sequência de vitórias pode fazer com que Schumacher se sinta pressionado. “Uma hora minha vitória vem”, falou o brasileiro.

Os treinos para o GP monegasco começam hoje às 6h de Brasília. Amanhã é dia de folga e o grid sai no sábado. A corrida de domingo, em 78 voltas, começa às 9h.