O Brasil é favorito a ganhar três medalhas na Final da Copa do Mundo de Vela, evento que está acontecendo em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, e tem como diretriz reunir apenas a elite de cada classe. Na Laser, Robert Scheidt manteve neste sábado a regularidade dos dois primeiros dias da fase de classificação e avançou em segundo para a medal race. Na RS:X, Bimba lidera entre os homens e Patrícia Freitas é terceira no feminino.

A Laser é a única classe na qual a proposta da Final da Copa do Mundo foi bem sucedida, uma vez que a flotilha conta com 20 barcos, reunindo os melhores da atualidade. Robert Scheidt foi segundo colocado na primeira regata do dia, mas apenas o 14.º na segunda delas, resultado que acabou descartado.

Com 18 pontos perdidos, é o segundo colocado, a três pontos do líder Tom Burton, da Austrália. O título também será disputado, domingo, pelo britânico Nick Thompson (23) e pelo australiano Matthew Wearn (24).

Na RS:X, a proximidade da Final da Copa do Mundo com o Mundial realizado há duas semanas em Israel afastou de Abu Dabi os melhores windsurfistas. Bom para Bimba, que venceu duas das três regatas do dia, foi quarto na demais, e avançou à medal race na liderança.

O brasileiro tem 25 pontos perdidos, contra 28 do espanhol Ivan Pastor Lafuente e 29 do grego Byron Kokkalanis. Em quarto, com 32, o britânico Tom Squires também briga pelo título do evento. Dos 10 primeiros do Mundial, só Lafuente (sétimo) e o italiano Mattia Camboni (oitavo) estão em Abu Dabi.

Entre as mulheres, só uma das 10 primeiras do Mundial compete nos Emirados Árabes Unidos. A britânica Bryony Shaw, vice em Israel, está sobrando na Final e venceu as três regatas do dia. Com 10 pontos perdidos, ela é favorita na medal race. Patricia Freitas, 19.ª colocada no Mundial está em terceiro em Abu Dabi. Com 23 pontos, garantiu o bronze e vai disputar a prata com a italiana Flavia Tartaglini, que tem 17.