O São Paulo não pagou uma dívida de R$ 5 milhões com a DIS referente à contratação de Paulo Henrique Ganso e corre o risco de ser cobrado judicialmente pela parceira. O valor é um aditivo contratual pelo fato do meia ter participado de mais de 70% dos jogos da temporada passada e agora está sendo cobrado pela empresa.

Por contrato, o São Paulo devia ter acertado o pagamento em janeiro, mas o gerente executivo de futebol do clube, Gustavo Vieira de Oliveira, entrou em contato com a parceira e pediu uma reunião para discutirem a dívida e equacionarem o pagamento. A proposta são-paulina é de que o valor seja parcelado e a empresa não se opõe – as partes não querem uma briga judicial.

São Paulo e DIS juntaram forças em 2012 para tirar Ganso do Santos e, juntos, desembolsaram R$ 23,9 milhões para viabilizar a negociação. O clube gastou R$ 16,5 milhões e contou com o aporte de R$7,4 da parceira, que ficou com 68% dos direitos do atleta, cujo contrato vai até dezembro de 2016.

Procurada, a diretoria do clube confirma a dívida, mas minimiza o fato e descarta qualquer desdobramento que afete a permanência de Ganso no Morumbi. “Temos essa reunião marcada e as conversas têm transcorrido bem. É uma questão financeira, evidentemente, mas não chega a ser algo que nos preocupe. Vamos conversar com a DIS para resolver isso da melhor maneira possível”, explicou o vice-presidente de futebol, João Paulo de Jesus Lopes.