Ofuscados pelo outro clássico paulista, São Paulo e Santos usam o jogo em Mogi Mirim, neste domingo, às 17 horas, para avaliar os seus elencos. Mas, enquanto os reservas do time da Vila Belmiro voam alto de olho no Mundial de Clubes da Fifa, o clube tricolor já pensa em 2012 e, além da vitória, precisa de três resultados paralelos favoráveis para beliscar uma improvável vaga na Copa Libertadores.

O desanimado São Paulo terá em campo jogadores que tentam mostrar o seu valor para continuar no clube para a próxima temporada como Jean, Xandão e Fernandinho. Durante a semana, o principal desafio de Emerson Leão foi tentar convencer o grupo a não jogar a toalha, mesmo após a derrota para o Palmeiras. “Quem vive o futebol há muito tempo sabe que é possível. A Libertadores passa por nossa cabeça sim”, disse o técnico.

Confirmado no cargo para 2012 nesta semana, Leão já deu início à faxina e vetou Dagoberto, artilheiro do time no ano, com 22 gols. Negociado com o Internacional, o atacante nem sequer foi relacionado. O ataque será formado por Fernandinho e Luis Fabiano.

Contra o Santos, Leão espera ver um pouco da dedicação que promete exigir da equipe na próxima temporada. “Disse aos jogadores que o ano que vem já começou. O time terá uma transpiração e uma pegada maiores”, garantiu o treinador. Ele afirma que, mesmo contra o time B do Santos, não espera facilidade e lembra a presença de atletas como Elano, Ibson e Alan Kardec. “O time do Santos relacionou jogadores com experiência internacional. Temos de respeitá-los, mas vamos para cima deles”.

O baixo retrospecto desde que chegou ao clube pesa nas costas de Leão: em sete jogos, perdeu quatro, empatou um e ganhou apenas dois. Mesmo assim, ele minimiza os números negativos lembrando que as duas vitórias vieram diante da torcida. “Diziam que não ganhávamos em casa e conseguimos um aproveitamento de 100%. Foram só duas partidas (vitórias sobre os rebaixados Avaí e América-MG), mas já significa algo”, afirmou o treinador são-paulino.

PELA TV – Com o jogo transferido para Mogi Mirim, Muricy Ramalho e 10 dos titulares estarão de folga, guardando energias para a desgastante viagem desta segunda-feira rumo ao Japão. Nesta semana, o treinador passou por reavaliação médica e foi orientado a se poupar para evitar o risco de uma nova crise em decorrência da hérnia de disco. Caberá ao auxiliar Mário Fellipe Peres, o Tata, dirigir um time improvisado.

Muricy admite que a maioria dos jogadores está com a cabeça no Mundial e considera desnecessário expor suas principais estrelas ao risco de sofrer uma lesão na véspera da viagem. Seria um erro imperdoável e um prejuízo enorme, a pouco mais de uma semana da estreia na competição mais importante do clube depois que Pelé parou de jogar.

Muricy diz que, pela televisão, vai tirar conclusões sobre alguns jogadores que não estão bem, mas que poderão ser úteis no Mundial como Pará (voltando de contusão), Ibson, Diogo e Alan Kardec, além do garoto Anderson Carvalho, que ficou com a vaga de Adriano.

O técnico pensou em escalar Léo, mas o atleta pediu dispensa para resolver problemas particulares antes da viagem. Com isso, o lateral-esquerdo vai mesmo como reserva para o Mundial. “Futebol é momento e o jogador tem que estar preparado para esse tipo de coisa. Léo perdeu a posição em razão do tempo que ficou parado”, disse Muricy.