O presidente Juvenal Juvêncio cobrou melhor futebol no São Paulo e foi atendido nesta quinta-feira. Pela Copa Libertadores, o time não tomou conhecimento do fraco Nacional (PAR) e saiu de campo com a vitória, por 3 a 0, no Morumbi. Com o resultado, assumiu a primeira colocação do Grupo 2, com nove pontos.

Para chegar à liderança, o São Paulo foi beneficiado pelo empate entre Monterrey (MEX) e Once Caldas (COL) na quarta. O próximo compromisso da equipe no torneio é no dia 31, fora de casa, contra os mexicanos. O Nacional, por sua vez, segue sem pontuar e está praticamente eliminado da competição.

O técnico Ricardo Gomes inovou desde o anúncio dos 18 jogadores relacionados para a partida. Marcelinho Paraíba, que era titular absoluto no começo da temporada, não ficou sequer entre os sete jogadores do banco de reservas. Cicinho e Jorge Wagner também perderam a vaga entre os titulares, mas ficaram no banco.

“É a nossa força máxima, mas o Cicinho e o Fernandinho [que também ficou no banco] ainda não estão nas suas melhores condições. É um elenco ainda em construção”, explicou o técnico, antes mesmo do início do jogo.

Mas a articulação da equipe não foi prejudicada. Hernanes e Léo Lima tomaram conta do meio-campo e a todo momento colocavam seus companheiros para jogar. Enquanto o gol não vinha, aos poucos, os paraguaios começavam a gostar do jogo. Rogério Ceni teve que trabalhar em pelo menos duas oportunidades.

Quando resolveu criar chances de perigo, o São Paulo decidiu o jogo em dois ataques. Aos 29, Hernanes arrumou belo cruzamento com a perna esquerda e encontrou Dagoberto atrás da zaga. O atacante escorou de cabeça e a bola encobriu o goleiro Caffa antes de entrar.

A torcida ainda comemorava quando Washington recebeu passe na área e, depois de quase se enrolar com a bola, tocou para Léo Lima só empurrar para o gol, aos 32. Assim como Dagoberto, também foi o primeiro gol dele na competição continental. “Estamos tendo uma boa posse de bola. O time deles veio muito fechado. Temos que jogar com bastante atenção e inteligência”, disse o meio-campo, no intervalo.

No segundo tempo, Léo Lima continuou sendo o principal jogador da equipe. No lance do terceiro gol, aos 9, ele começou a jogada ainda no campo de defesa. Richarlyson entrou na área, trombou com o goleiro e a bola acabou sobrando para Washington marcar o seu quinto gol nesta edição da Libertadores. Ele está a três gols de se tornar o maior artilheiro do clube na competição.

Com a boa vantagem no placar e diante de um adversário sem muitos recursos, o time reduziu o ritmo. O confronto só ganhou em movimentação com as entradas de Cicinho e Fernandinho, que ainda acertou a trave com um toque de calcanhar.

Depois de dar mais um importante passo rumo às oitavas de final da Libertadores, o São Paulo voltará suas atenções para o Campeonato Paulista. No domingo, vai enfrentar o Mogi Mirim, às 17 horas, no Morumbi, com o objetivo de se manter no G-4 da tabela.

Ficha Técnica:

São Paulo 3 x 0 Nacional-PAR

São Paulo – Rogério Ceni; Jean (Cicinho), Alex Silva, Miranda e Júnior César; Richarlyson (Rodrigo Souto), Cléber Santana, Hernanes e Léo Lima; Dagoberto e Washington (Fernandinho). Técnico: Ricardo Gomes.

Nacional – Caffa; Piris, Miers e Herminio Miranda; Rojas (Arturo Aquino), Irala, Cáceres, Riveros, Paniagua e Mazacotte (Víctor Aquino); Beltrán (Bordón). Técnico: Ever Almeida.

Gols – Dagoberto, aos 29, e Léo Lima, aos 32 minutos do primeiro tempo. Washington, aos 9 minutos do segundo tempo.

Árbitro – Darío Agustín Ubriaco (Fifa-Uruguai).

Cartões amarelos – Rodrigo Souto (São Paulo); Riveros (Nacional).

Renda – R$ 907.065,32.

Público – 31.411 pagantes.

Local – Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).