O triunfo por 2 a 0 sobre o Vitória, que deixou o Santos perto de seu primeiro título da Copa do Brasil, ficou em segundo plano ao final da partida desta quarta-feira, na Vila Belmiro. O assunto pós-jogo foi o pênalti perdido por Neymar, que tentou repetir a “cavadinha” do uruguaio Loco Abreu e viu o goleiro Lee defender a cobrança com extrema facilidade.

O atacante foi vaiado por parte da torcida e deixou o gramado irritado, sem paciência para responder as perguntas dos jornalistas. Coube ao técnico Dorival Júnior defendê-lo das críticas. “Outro dia estava todo mundo comemorando uma cobrança desse tipo. Ele errou, e só erra quem está ali e assume a responsabilidade. Displicência não existiu. Existiu, sim, uma equipe que criou várias oportunidades e o goleiro adversário foi o melhor jogador da partida”, disse, exaltado.

Esse foi o terceiro pênalti perdido por Neymar na Vila Belmiro neste ano – os outros foram na vitória sobre o Corinthians, no Campeonato Paulista, e no empate com o Ceará, no Brasileiro. Mas foi o primeiro desperdiçado no estilo “cavadinha”.

“[O pênalti] Não é uma brincadeira, ele bate dessa maneira. Ele treina para isso. O Neymar é desse jeito e a gente tem que respeitar. Se houver outro pênalti, ele é quem vai bater, a não ser que não se sinta confortável”, continuou Dorival.

Neymar à parte, o técnico comemorou o que avaliou como retomada do bom futebol do primeiro semestre. Sua equipe não foi ameaçada pelo rival e perdeu a chance de golear. “Fiquei satisfeito com o que vi na noite de hoje [quarta], mas precisaremos ficar alertas até o último momento. É uma vantagem, apenas isso. Teremos ainda 90 minutos, e se nós não mantivermos a postura que tivemos hoje, com certeza jogaremos por terra o trabalho que foi feito.”

O Santos só não levantará taça na próxima quarta-feira, no Barradão, se perder por três gols de diferença ou se for derrotado por dois e ainda levar a pior nos pênaltis.