Zé Roberto é o principal alvo do Santos para o Campeonato Brasileiro. O ex-meia da seleção é apenas um dos jogadores de ponta que o bicampeão paulista vai buscar para não fazer feio no seu centenário de fundação, no ano que vem. Também constam na lista o zagueiro Bolívar, do Inter, e de Borges, do Grêmio, ambos são ex-jogadores de Muricy, mais um atacante, um meia e um volante.

“Há negociações em curso, mas não falamos em nomes antes da assinatura dos contratos”, avisou o diretor de futebol santista, Pedro Luís Nunes Conceição. Os dirigentes querem evitar concorrência. O contrato de Zé Roberto com o Hamburgo, da Alemanha, termina no fim da temporada europeia e não será renovado porque o meia de 36 anos pretendia assinar por mais dois anos e os alemães ofereciam vínculo de 12 meses.

No fim da tarde, o Santos confirmou que o primeiro reforço após o título é Roger, meia que disputou o Campeonato Paulista pelo Oeste. O jogador vai fazer os exames médicos e deve assinar contrato de experiência de três meses, em razão da fama de indisciplinado e baladeiro, que levou o São Caetano a emprestá-lo Oeste. Se Roger for aprovado dentro e fora de campo o seu contrato será estendido até o fim do ano e o Santos terá prioridade na compra de 60% dos direitos, que pertencem a um grupo de investidores.

Porém, há o outro lado. Com a boa campanha no primeiro semestre, o time é bem visto na exterior e seus principais jogadores despertam interesse de grandes potências do futebol europeu.

Antes de o time ganhar o Campeonato Paulista, Muricy Ramalho já se preocupava com o provável desmanche do time. Pelos seus cálculos além das perdas certas de Zé Eduardo, Maikon Leite e Keirrison, outros jogadores também deverão ser negociados. Jonathan, que tem passaporte europeu, e Danilo, estão entre os que podem trocar de país em julho.