O Santos vai sair em busca de recursos rapidamente e priorizar o pagamento dos três meses de direito de imagem e dois de salário em carteira (CLT) atrasados, mais 13.º e férias dos jogadores para não correr o risco de comprometer a pré-temporada e até o desempenho do time no Campeonato Paulista de 2015. O ano do futebol santista terminou com alguns dos mais experientes titulares, como Edu Dracena, Arouca e Thiago Ribeiro, reclamando da falta de pagamento e demonstrando indignação com o comportamento da direção do clube de fugir do CT Rei Pelé para não ouvir cobranças.

A insatisfação dos jogadores, por enquanto exposta apenas pelos líderes, é motivada pelo fato de os dirigentes terem abusado nos gastos, além de inflacionar a folha do futebol, deixando, pela primeira vez na história recente do clube, o pagamento de salários e do direito de imagem em segundo plano, mesmo tendo antecipado a cota de TV de 2015 e vendido os meias Montillo e Cícero e o lateral-direito Bruno Peres.

Para ex-dirigentes com longa rodagem no futebol, outro ponto importante é manter Enderson Moreira para que ele seja como um guia para a nova direção. Em caso de troca, o treinador que chegar vai levar meses para ter condições de avaliar o elenco.

Além disso, o Estadual é uma competição de segunda linha e pode até ser usado como laboratório para o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil. E Enderson Moreira é o único, no momento, que pode queimar algumas etapas por já ter pronta a planilha com os nomes dos jogadores que devem ser mantidos, os que devem ser dispensados ou emprestados e os reforços que podem chegar, sem grandes investimentos, para acrescentar qualidade ao time.

A estreia do time na temporada de 2015 será no dia 1.º de fevereiro contra o Ituano, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista. Será a reedição da final deste ano, que foi vencida pelo clube do interior em pleno estádio do Pacaembu, em São Paulo.