A diretoria do Santos vai pedir autorização do Conselho Deliberativo do clube, na reunião de terça-feira, para vender 50% dos direitos econômicos do volante Alison ao Banco BMG por 1,5 milhão de euros (aproximadamente R$ 4,8 milhões). Os valores foram acertados há dois dias, mas o negócio ainda precisa de aprovação dos conselheiros.

Pelos estatutos do clube, três meses antes da eleição presidencial o Comitê de Gestão não pode contratar e nem vender jogadores sem prévia aprovação do Conselho Deliberativo, mas os dirigentes entendem que a negociação de uma parte dos direitos não caracteriza venda. No dia 6 de dezembro, o Santos elege o presidente para o próximo triênio.

O argumento para convencer os conselheiros a votarem a favor da proposta de venda de Alison é o risco a que o clube está exposto de até perder jogadores por falta de pagamento de salário e de direito de imagem. O atraso no Santos já passa de dois meses.