Três dos melhores skatistas do mundo foram os mais bem classificados na eliminatória de ontem, no Oi Vert Jam 2005, evento que está sendo disputado na Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro, e que também inclui a modalidade de doubles (duplas) e traz à cidade os melhores patinadores inline do país. Com pontuação 88.00, o atual bicampeão mundial de skate, Sandro Dias, o Mineiro, levou a melhor, fazendo duas voltas praticamente perfeitas. Em segundo, ficou Lincoln Ueda, apelidado de "japonês voador", com a melhor volta somando 85.33 e, em terceiro, o carioca/paulista Bob Burnquist, que cravou uma volta com média 82.33. Primeiro brasileiro a conquistar um título mundial, em 95, na cidade alemã de Münster, Digo Menezes também ultrapassou a marca dos 80 pontos, alcançando 81.33 de média em sua primeira volta. Hoje, será disputada a prova de doubles e, no domingo, acontecerá a final do skate, a partir de 10h30m.

"Se, ontem, já foi bom, que dirá domingo". É o que garante Sandro Dias que guardou para a final a manobra que o ajudou a se tornar bicampeão do mundo e a vencer a prova de best trick nos X-Games, em agosto passado. Satisfeito com o desempenho de hoje e aguardando a namorada, a patinadora Fabíola da Silva, competir, Mineiro elogiou a pista e seus adversários: ""Foi bom para ganhar confiança. Tenho que estar concentrado mas, sempre, com um sorriso no rosto. Se levar muito a sério, erro". Hoje, Sandro volta à rampa, competindo em doubles com o amigo Cris Mateus, que não se classificou para a final individual.

Outro que levantou a torcida foi Lincoln Ueda. Feliz por ter executado um 540 de frontside pela primeira vez em uma prova oficial, ele destacou o clima de companheirismo que marca uma prova de skate. "O astral é muito pra cima. A turma anda junto há muito tempo, parece uma família. Todos torceram uns pelos outros e, o que mais me impressionou, foi ver o Sergio Negão, com seus 42 anos, cravar (completar sem erro) a volta, coisa que muito garotão mais novo, como eu, não conseguiu", disse Ueda. Sobre a prova de doubles, em que terá como parceiro Neal Hendrix, ele não arriscou prognósticos: "Nunca andamos juntos mas, na hora, o improviso vai dar o tom da dupla. Conheço o estilo de Neal e isso pode facilitar. Vamos em busca da descontração".

Recém-chegado dos Estados Unidos, o ex-campeão mundial Bob Burnquist, primeiro skatista a carregar a tocha olímpica no skate, disse ter tido receio de, pela primeira vez na carreira, não avançar para a final. "Cometi erros na primeira volta, que é a melhor para buscar a classificação. Tive cãimbras e fiquei com medo de não aguentar correr a segunda volta. Mas, depois, acabou dando tudo certo", disse Bob. Para a final, ele promete arriscar mais: "Hoje, não tirei o skate do pé. Os resultados do Ueda e do Sandro foram justíssimos mas, se o Ueda não tivesse caído na Segunda volta, acredito que ficasse em primeiro. O Sandro tem um estilo dinâmico, biônico. Sou mais técnico mas menos veloz". Na prova de doubles, o carioca que vive na Califórnia formará dupla com Digo Menezes.