O San Lorenzo sofreu muito, mais do que o esperado, para chegar à decisão do Mundial de Clubes. Preciso ir para a prorrogação para bater a equipe semiprofissional do Auckland City por 2 a 1, na última quarta-feira, dando a clara impressão de que serão atropelados pelo poderoso Real Madrid na decisão de sábado se não evoluírem muito. Mas isso não tira a esperança dos argentinos.

“Eles (Real Madrid) são uma das duas melhores equipes do mundo, se não a melhor, mas serão 11 contra 11 no campo. Nós sabemos o que temos para oferecer e vamos acreditar em nós mesmos. Tudo pode acontecer”, declarou o atacante Matos, autor do gol da vitória sobre o Auckland logo no início da prorrogação.

Para o jogador, a fraca atuação da equipe na quarta foi causada pelo nervosismo. “Nós estávamos muito ansiosos. Sabíamos que éramos favoritos, estávamos uma pilha de nervos. Era nossa primeira partida no torneio, uma experiência completamente nova. Foi por isso que não jogamos bem, principalmente no primeiro tempo. Foi difícil, mas acabou. Agora estamos felizes e aliviados.”

A análise do jogador foi compartilhada pelo técnico Edgardo Bauza. Ele também ressaltou o nervosismo da equipe na estreia e lembrou que diante do Real Madrid, às 17h30 (de Brasília) de sábado, em Marrakesh, será o time madrilenho que entrará com a responsabilidade da vitória. Ao San Lorenzo resta fazer sua parte e evoluir em relação à semifinal.

“Agora vamos nos preparar para a final e faremos de tudo para vencê-la também. Vamos procurar ter o nosso melhor rendimento possível e corresponder às expectativas, apesar de que enfrentaremos uma das melhores equipe do planeta, com muitas qualidades individuais”, apontou Bauza.