Rubens Bohlen é candidato à reeleição para presidir o Paraná Clube no biênio 2014-2015. A decisão foi tomada no início da semana, antes mesmo do jogo do Tricolor contra o Atlético-GO. Apesar de em sua atual gestão ter enfrentado uma série de dificuldades – principalmente as financeiras -, o presidente lança a recandidatura por confiar no acesso e na conclusão dos projetos que iniciou em sua gestão. Recentemente, Bohlen precisou ficar 20 dias de licença por causa de uma crise de diabetes.

A eleição do conselho diretor do Paraná Clube ocorrerá dia 13 de novembro. Quando o pleito ocorrer, restarão apenas três rodadas para o término da Série B. ‘Sei que o momento é de focarmos na reta final da disputa. Talvez fosse melhor uma alteração estatutária para que em outros anos a gente não passe por isso. Mas agora, não há o que fazer’, disse Bohlen, que anunciou sua candidatura na reunião do conselho, na segunda-feira passada. ‘Num primeiro momento, pensava em não continuar. Mas vejo que ainda temos muitos pontos a ajustar e, tenho certeza, estamos no caminho certo nesse processo de reestruturação do Paraná’, disse o dirigente.

Bohlen destacou os muitos acordos firmados ao longo destes dois anos. O principal deles, envolvendo a Systema, do empresário Léo Rabello. ‘Reabrimos, com habilidade, um canal de negociação que estava fechado. Esta ação, se fosse adiante, poderia inviabilizar a administração do clube’, admitiu. Condenado em uma ação envolvendo a disputa pelos direitos econômicos de Thiago Neves, o Paraná devia mais de R$ 20 milhões a Rabello. ‘Fizemos um bom acordo, corrigindo um erro histórico’, ponderou.

Desmandos do passado

O dirigente aproveita para alfinetar gestões passadas, que deixaram o clube em uma situação delicada também no departamento de futebol. ‘Creio que a melhor plataforma de campanha é o trabalho desenvolvido nesses dois anos. Assumimos o clube com sete atletas no elenco profissional, sendo quatro goleiros’, recordou. ‘Pior: estávamos na segunda divisão do futebol paranaense’, completou.

Rubens Bohlen sabe que o desempenho de sua gestão acabará medido pelo resultado final da Série B. ‘A solução para os problemas do Paraná é o acesso. Creio que o clube só irá navegar em águas realmente tranquilas dentro de quatro ou cinco anos. E na Série A’, revelou. ‘Por isso, nosso foco continua sendo este Campeonato Brasileiro. Tivemos alguns deslizes, que não poderão se repetir. Estamos tomando todos os cuidados possíveis neste sentido’, afirmou.

Boas ações

No cômputo geral, Bohlen ainda lembra outras ações bem sucedidas. ‘Retomamos a gestão do Ninho da Gralha e tivemos melhorias no social, com a reinauguração da sala de musculação e a transformação do nosso salão nobre. O novo local, na parceria com o Espaço Torres, será o mais moderno de Curitiba’, disse.