Barcelona – Ronaldinho Gaúcho tem certeza que entrará para a história do futebol, mas sem o impacto dos grandes astros. Modesto, diz que a sua vida é muito simples e por isso não vende jornal. Ontem, só para variar, foi indicado para receber mais um prêmio. Ao lado do presidente de honra do Real Madrid, o ex-jogador Alfredo Di Stefano, concorrerá ao Prêmio Príncipe das Astúrias dos Esportes, que será entregue em setembro em Oviedo.

"Quero conquistar todos os títulos possíveis, como a Copa da Alemanha. Vou entrar em todos os livros de história do futebol", disse o melhor do mundo no site da Uefa.

Tamanha ambição não combina com seu jeito simplório. Ele mesmo entrega:

"Sou tão simples que não vendo jornais. A minha vida é muito parecida com a das outras pessoas. Quando me levanto, vejo uma pessoa normal no espelho. Tomo café da manhã com meus amigos e como o mesmo que eles, faço as mesmas coisas que todo mundo."

Ser uma celebridade não está nos seus planos. "Faço exatamente o que sempre sonhei quando era menino, ser reconhecido pelo meu trabalho. Quando ia ver os treinos do meu irmão (Assis, no Grêmio), pensava: isso é o que mais quero fazer. E consegui."

Conseguiu muito mais. Nas temporadas de 2004 e 2005 faturou todos os grandes prêmios destinados a um jogador de futebol. E sua imagem virou objeto de desejo das empresas. Ontem, ao lado de Robinho, Ronaldinho Gaúcho foi a estrela de uma nova campanha da Nike, empresa de material esportivo que tem o craque sob contrato.

Batizada de "Joga Bonito", a campanha mostra vídeos de Ronaldinho intercalando imagens da sua infância e atuais, jogando futebol de salão e nos grandes estádios do mundo. Ao final da cena aparece o ex-jogador francês Eric Cantona que aconselha os espectadores: "Não cresçam nunca."

Ronaldinho segue à risca esta mensagem de Cantona no comercial da Nike. Continua jogando alegre como se estivesse nas ruas de terra batida do bairro Vila Nova, em Porto Alegre, onde nasceu.

Ronaldo renasce e cutuca xará

Madri – Ronaldo renasceu com o gol salvador que fez contra o Zaragoza, na quarta-feira. Garantiu o empate (1 a 1) ao desesperado Real Madrid e algumas horas de paz.

"O gol caiu muito bem. Tira um pouco da minha responsabilidade e me deixa tranqüilo", disse Ronaldo, alertando que não foi uma resposta para ninguém. "Jogo para o meu time, minha família e para mim."

Os jornais esportivos da Espanha, tão críticos ao desempenho de Ronaldo nos últimos meses, abriram generosas manchetes ao atacante. "Quando o Real Madrid parecia derrotado… Gol de Ronaldo", deu no AS. "Ronaldo cavalga de novo", saiu no Marca. "O furacão que estava sob mim foi para outro lugar", completou o jornal, usando uma declaração de Ronaldo.

Pode ser coincidência, mas depois do gol do "renascimento" começou a circular na internet ontem uma brincadeira de Ronaldo com Ronaldinho. O Fenômeno provoca Ronaldinho, que em recente campanha da Nike aparece carimbando o travessão no Camp Nou numa seqüência absurda de quatro chutes com a bola batendo na trave e voltando para ele. No vídeo de Ronaldo, ele calça a chuteira azul e chuta para o gol. A bola entra no ângulo. E o Fenômeno diz: "Aí xará, o que vale é bola na rede e não na trave, OK?

Torcida paralisa jogo em Madri

Madri – O jogo entre Atlético de Madri e Sevilla, disputado ontem no Estádio Vicente Calderón, foi paralisado aos 32 minutos do segundo tempo pelo juiz Miguel Angel Ayza Gámez porque a torcida atirou objetos no gramado.

A partida, válida pela 29.ª rodada do Campeonato Espanhol, foi paralisada quando o Sevilla, time visitante, vencia por 1 a 0.

Foi justamente a validação do gol de Antonio Puerta, que inicialmente foi anulado pelo árbitro, que levou a torcida a protestar jogando objetos no gramado.

Na primeira etapa o juiz havia marcado dois pênaltis a favor do Sevilla, que o goleiro argentino Leo Franco defendeu.