Leipzig – A última grande vitória do futebol brasileiro em 2005 será conquistada hoje, em Zurique (Suíça). Ronaldinho Gaúcho receberá da Fifa o cobiçado prêmio de Melhor Jogador do Mundo de 2005, fechando temporada que não poderia ter sido melhor para o País cinco vezes campeão mundial.

A seleção conquistou a Copa das Confederações, com show sobre a Argentina na final, e superou novamente os rivais sul-americanos nas Eliminatórias, classificando-se para a Copa da Alemanha na primeira colocação da América do Sul. No ranking da Fifa, a equipe de Carlos Alberto Parreira se manteve líder do início ao fim, com sobras, sem nenhum tipo de ameaça por parte dos rivais.

Nos campeonatos de clubes não foi diferente. A decisão da Copa Libertadores da América, mais importante competição do continente, reuniu dois brasileiros: São Paulo e Atlético-PR. Ontem, diante do Liverpool, da Inglaterra, em Yokohama, no Japão, os são-paulinos garantiram também o Mundial.

Só faltava para o futebol do País ter um representante como craque do ano. E esse prêmio é brasileiro. Ronaldinho, de 25 anos, será apontado como o número 1 de 2005 em festa de gala, na Ópera de Zurique. Conforme antecipou a Agência Estado, o craque do Barcelona bateu com boa vantagem os outros dois finalistas, o camaronês Samuel Eto?o, seu colega de Barcelona, e o inglês Frank Lampard, do Chelsea. A votação foi feita por capitães e treinadores das seleções.

?Estou vivendo um sonho, o que mais gosto de fazer é jogar futebol?, diz Ronaldinho, que liderou o clube catalão na conquista do título espanhol na última temporada. ?Mas ainda posso melhorar.?

Sua única decepção em 2005 foi a derrota nas oitavas-de-final da Liga dos Campeões para o Chelsea, em Londres. O atacante teve ótima atuação, marcou dois gols na capital inglesa, mas não foi capaz de evitar a eliminação de sua equipe. No retorno a Barcelona, recebeu o reconhecimento dos torcedores.

O mundo, hoje, o aponta como indiscutivelmente o melhor do planeta. ?Ele é o melhor?, limitou-se a dizer Pelé, bem mais modesto que seu amigo Franz Beckenbauer, celebridade na Alemanha e presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo. Há pouco mais de dez dias, em Leipzig, Beckenbauer mostrou-se eufórico com o talento do brasileiro. ?Para mim, o primeiro é o Ronaldinho. O segundo é o Ronaldinho. E, bem, o terceiro é o Ronaldinho.?

Há três semanas, recebeu a Bola de Ouro da revista France Football como craque da Europa em 2005.

Em enquete da Fifa, até a última sexta-feira, o ex-gremista tinha 84% da preferência dos internautas, contra 8% de Eto?o e 8% de Lampard.

A cerimônia de gala, com a apresentação do Ballet de Zurich e a presença de ilustres personalidades do esporte, promete cenário ideal para que o craque receba seu segundo troféu consecutivo e ponha o Brasil ainda mais no topo. O prêmio da Fifa é apenas um retrato da superioridade do País do Futebol nos últimos anos. Nas 14 edições da eleição, seis foram vencidas por brasileiros: Romário (1994), Ronaldo (96, 97 e 2002), Rivaldo (99) e Ronaldinho (2004). Este será o sétimo triunfo.

No feminino, Marta concorrerá com a alemã Birgit Prinz, atual ganhadora, e com a norte-americana Shannon Boxx.