Enquanto se movimenta para encontrar um novo comandante para a equipe, a diretoria do São Paulo continua tentando melhorar o elenco. Nesta segunda-feira, ela apresentou Clemente Rodríguez, ex-Boca Juniors. Eleito o melhor o lateral-esquerdo da Libertadores de 2012, ele chegou com a responsabilidade de acabar com a falta de um dono da posição e recebeu a camisa seis, que era de Cortez, que deve ir para o exterior.

“É um grande clube, creio que não podemos ficar pensando que o time está mal. Estamos cinco pontos atrás do líder do campeonato. Espero me adaptar rapidamente e ajudar meus companheiros”, afirmou o argentino de 31 anos, que pode estrear nesta quarta, contra o Bahia, pelo Brasileiro. A tendência, porém, é que ele vá a campo apenas contra o Vitória, no fim de semana, no Barradão.

Rodríguez estará disponível para a segunda partida da Recopa, contra o Corinthians, no próximo dia 17. Ao falar sobre o rival, ele cutucou os corintianos e lembrou que já eliminou o adversário nesta temporada, nas oitavas de final da Libertadores. “Temos de vencer novamente. Seria lindo ganhar também a Recopa em cima do Corinthians.”

Além da vocação ofensiva, o lateral chegou ao Morumbi credenciado por ser o argentino que mais partidas disputou na história da Libertadores (82 vezes), competição que conquistou três vezes na carreira.

A lateral esquerda é um drama para o São Paulo desde 2008, quando o pentacampeão mundial Júnior deixou o clube. De lá para cá, nada menos do que 11 jogadores foram contratados para a posição, sem que nenhum deles se firmasse. Cortez, que custou R$8 milhões no ano passado, terminou a temporada bem, mas caiu em desgraça com Ney Franco, perdeu a posição e foi afastado. Como Carleto, que foi promovido a titular, sofreu grave lesão de joelho, o antigo treinador precisou aceitar o retorno de Juan, que havia sido afastado por deficiência técnica e treinava separado do elenco, no CT de Cotia. A esperança é que o argentino resolva de vez esse crônico problema.

“O Clemente é um jogador que observávamos havia algum tempo e gostamos do que vimos. Ele junta sua experiência ao grupo e tem a seu favor a experiência em Libertadores e as frequentes convocações para a seleção argentina”, ponderou o vice de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, incumbido de entregar a camisa ao jogador.