“Time que quer chegar não pode ser bonzinho, não”. A afirmação de Roberto Cavalo mostra o que o treinador pretende nas doze rodadas que restam ao Paraná Clube nesta Segundona.

Resta saber se o time apático e desinteressado do último sábado entendeu a mensagem. O Tricolor encara o Brasiliense, às 19h30, na Boca do Jacaré, precisando de um resultado positivo para não se aproximar perigosamente da zona do rebaixamento.

Allan Costa Pinto
Davi volta à equipe que encara o Brasiliense hoje à noite, na Boca do Jacaré.

A vantagem para a turma dos realmente desesperados é de apenas quatro pontos. O comentário de Cavalo surgiu quando indagado sobre a discussão ocorrida em campo, no último sábado, entre Rafinha e Gabriel.

“Da forma como aconteceu, acho muito positivo. Os jogadores têm que se cobrar”, ponderou o treinador paranista. “Temos um elenco de bom nível, mas falta um pouco desse tipo de reação. O atleta não pode se acomodar quando as coisas não estão dando certo”.

Fora de casa, o treinador tenta resgatar o “espírito guerreiro” que o Paraná mostrou contra o Ceará, na semana passada. “É difícil entender o que houve no segundo tempo, mas quando levamos o segundo gol o time se desarticulou completamente”, reconheceu Cavalo.

Para o técnico, diante do que ocorreu no último sábado, é até melhor jogar fora de casa. “Na Vila Capanema, a pressão seria ainda maior. Por isso, temos que passar uma borracha nesse último jogo, com uma grande atuação frente ao Brasiliense”.

Na tentativa de armar uma equipe mais segura, o técnico recompõe o 3-5-2. No setor defensivo, porém, o único confirmado por antecipação foi Montoya, que entra na vaga do suspenso Gabriel.

Como Élton se ressente de uma série de jogos desgastantes, sua presença é incerta. Na prática, três jogadores disputam as outras duas vagas na defesa: Élton, Leandro e Luís Henrique.

Cavalo não esconde a preocupação de lançar um trio de zagueiros que ainda não atuou junto, sendo que Leandro chegou ao clube na semana passada e Luís Henrique não atua desde abril, quando sofreu séria lesão de joelho.

Só que o momento crítico do Paraná não permite que Roberto Cavalo se preocupe apenas com a zaga. Por isso, ele confirmou a volta de Davi ao meio-de-campo, tentando fazer com que Rafinha não fique tão sobrecarregado como único articulador da equipe.

Assim – e diante da ausência do suspenso Luiz Henrique Camargo – ele abriu mão de escalar três volantes como ocorreu no jogo em Fortaleza. Já no ataque, Adriano terá a primeira oportunidade como titular desde a chegada de Cavalo. Ele entra na vaga de Wellington Silva, que cumpre automática pelo terceiro amarelo.