O amistoso internacional entre Bélgica e Espanha, em Bruxelas, que será disputado nesta terça-feira, já está cercado de tensão. Nesta segunda, a delegação espanhola desembarcou no País sob forte esquema de segurança. Segundo o porta-voz do primeiro ministro Charles Michel, existe uma ameaça “crível e potencialmente iminente” de ataque terrorista no país nos próximos dias e o jogo pode fazer parte dos alvos.

O medo que vem tomando a população belga, que está em alerta vermelho por ameaça de terrorismo, tem motivo: o país está comprovadamente ligado com os ataques de Paris, na última sexta-feira, que resultou em cerca de 140 mortos e tinha como um dos alvos o Stade de France, onde França e Alemanha se enfrentavam. Entre os sete terroristas mortos, pelo menos dois viviam na Bélgica. Entre os 13 detidos por vinculação com a tragédia, sete deles estão em Bruxelas.

Os jogadores da seleção espanhola vêm sendo acompanhados de perto pela polícia e passam por medidas máximas de segurança. Ao chegar em Bruxelas, a equipe foi escoltada por três carros de polícia ainda na pista do aeroporto. No caminho até o hotel, os atletas foram acompanhados por dois policiais no ônibus oficial da seleção. Eles apenas devem deixar a concentração para o treino da tarde no estádio Rei Balduino, local da partida desta terça-feira.

Em comunicado, a Federação Belga de Futebol afirmou que o jogo foi confirmado após contato com a Real Federação Espanhola de Futebol e as instâncias competentes de segurança. Como prevenção, não será autorizada a entrada de mochilas ou bolsas no estádio. A capital belga está totalmente tomada pela polícia, que também conta com o apoio do Exército no protocolo antiterrorista, que está em fase 3.