O Brasil mais uma vez não conseguiu apresentar ao Comitê Olímpico Internacional (COI) a Matriz de Responsabilidades, documento que detalha a participação de cada nível de governo (municipal, estadual e federal) nas obras envolvendo a Olimpíada do Rio de Janeiro, em 2016. O novo atraso irritou o COI, que esperava receber o detalhamento durante as reuniões realizadas nesta terça e quarta-feira na cidade.

A Matriz devia ter sido apresentada em maio para a Comissão de Coordenação do COI para os Jogos do Rio, presidida pela marroquina Nawal El Moutawakel, durante o primeiro Project Review (revisão de projeto) de 2011. As autoridades brasileiras, então, se comprometeram a entregar o documento no encontro dos últimos dois dias, o que não aconteceu.

Segundo o secretário estadual da Casa Civil do Rio, Régis Fichtner, governo do Rio de Janeiro e prefeitura fizeram o combinado, mas ficou faltando a parte do governo federal, representada Autoridade Pública Olímpica (APO), presidida por Márcio Fortes. “Faltaram algumas definições. Se apresentássemos, seria parcialmente. Então optamos por só entregar de forma integral”, disse o secretário.

O novo prazo de entrega estabelecido pelo COI foi o próximo Project Review, em março do ano que vem, no Rio de Janeiro. “A APO está passando por um processo de estruturação, acho que foi este o motivo”, disse Fichtner. Fortes, que participou das reuniões – o único representante da União, já que ninguém do Ministério do Esporte compareceu -, evitou falar com a imprensa durante os dois dias.