O nome é de craque, mas diferente dos homônimos Gaúcho e “Fenômeno”, o Ronaldo atleticano, 20 anos, é zagueiro e nem sempre gostou de futebol. Quando criança preferia outras brincadeiras ao invés de ficar correndo atrás da bola. Natural de Bebedouro, interior de São Paulo, o futebol entrou na vida do garoto por influência do irmão mais velho.

“Eu acompanhava meu irmão, que jogava num clube da cidade, na época de juniores. Meu pai sempre me levava, mas eu não gostava muito de futebol. Fui acompanhando os jogos e me interessei. Depois entrei numa escolinha”, conta o agora zagueiro profissional sobre os primeiros passos no mundo da bola.

Aos 13 anos Ronaldo teve a primeira oportunidade de atuar fora da sua cidade. Foi treinar em Porto Alegre, no Internacional. Mas a aventura durou pouco mais de um mês.

“Como era a primeira vez que saía de casa não aguentei ficar. Era muito frio e voltei para minha cidade. Passei um mês lá”, comentou. Meses depois apareceu uma nova chance de atuar num grande clube.

E, desta vez, ele não desperdiçou. Desembarcou no Atlético em 2005, vindo de uma parceria entre o Águia Futebol, sediado em Maringá. Jogou nas categorias juvenil e juniores onde tornou-se capitão da equipe.

Porém, nem tudo foi alegria na vida do zagueiro. Diversas lesões, a mais séria delas no ano passado, o fizeram pensar em parar com o futebol. Porém a vontade de concretizar o sonho de sua vida falou mais alto.

Na última quarta-feira, dia 7, o sonho tornou-se realidade. Ronaldo pisou o gramado da Arena pela primeira vez como profissional e titular da equipe atleticana.

A apresentação foi tão boa que o zagueiro assegurou vaga para o jogo seguinte, contra o Inter, em Porto Alegre. O jovem atleta barrou Everton -contratado recentemente para dar experiência à defensiva rubro-negra.

Em dois jogos, Ronaldo demonstrou que a safra de garotos-zagueiros do Atlético, que brilharam na Copa SP, está pronta para o profissional. Isso porque Manoel, seu companheiro e amigo, tem se destacado e é titular indiscutível.

Ronaldo conversou com a Paraná Online sobre essa nova fase em sua carreira.

Paraná Online: Antes do jogo contra o Grêmio muitos perguntavam: Quem é aquele novo zagueiro? Afinal de contas, quem é Ronaldo?

Ronaldo: Eu comecei nas categorias de base do Atlético, mas nunca consegui ter uma grande sequência devido às contusões. Quando o Lopes chegou, me deu oportunidade. E nos treinamentos me dediquei bastante porque sabia que minha oportunidade ia aparecer.

Paraná Online: Esperava em pouco tempo já despontar como um zagueiro de futuro?

Ronaldo: Vinha sempre me empenhando e o grupo me acolheu e me ajudou. Então, esperava sim.

Paraná Online: Você mostrou personalidade nas partidas que disputou. De onde vem tanta confiança?

Ronaldo: Quando não era escalado para viajar, ficava chateado, mas treinando forte a espera do meu momento. E agora espero aproveitar da melhor maneira.

Paraná Online: Já jogou em outras posições além de zagueiro?

Ronaldo: Já (risos). De centroavante, mas não deu muito certo.

Paraná Online: Quem você tem como ídolo no futebol?

Ronaldo: Tento me espelhar no zagueiro do Manchester United, o Rio Ferdinand. Gosto muito do futebol dele e sempre procuro ver os vídeos dele para aprender um pouco.

Paraná Online: Quais seus objetivos daqui pra frente e qual foi seu pior momento no futebol?

Ronaldo: Já realizei um dos grandes sonhos da minha vida. Quando cheguei aqui, coloquei na cabeça que queria fazer um grande jogo pelo Atlético, na Arena. Agora es,pero evoluir ainda mais. Já o pior momento foi uma fratura no meu tornozelo, quando fiquei quatro meses afastado (ano passado). Foi difícil porque estava numa boa fase e perdi parte física e muscular. Demorou para eu recuperar e depois, na minha primeira competição, fui muito mal e desanimei. Mas várias pessoas acreditaram em mim e não deixaram que eu desistisse. É por elas que eu agradeço essa fase. Hoje é meu melhor momento.