Gilson Abreu/Divulgação
Os técnicos Ari Nunes, da Impressora Paranaense, e João Maria, da Brasil Telecom.

Os 21.º Jogos do Sesi já começam a definir os finalistas da 1.ª fase, em diversas modalidades. Curitiba e Região Metropolitana, por exemplo, já sabem quem vai representá-las na final estadual, nas modalidades de futebol, vôlei de praia masculino, basquetebol masculino, xadrez e dominó dupla.

Realizados pelo setor industrial, com a organização e coordenação do Serviço Social da Indústria (Sesi) do Paraná, os Jogos do Sesi envolvem em média 15 mil trabalhadores paranaenses, de cerca de 500 empresas. Em todo o Brasil participam 500 mil industriários.

De Curitiba e Região Metropolitana são 4 mil trabalhadores, de 120 indústrias da capital, de São José dos Pinhais, Araucária, Campo Largo, Quatro Barras, Rio Branco do Sul e Paranaguá. Nestas cidades, a 1.ª etapa é a regional. Nas demais regiões, os jogos começam pela fase municipal, passando pela etapa intermunicipal, que seleciona as equipes para a final estadual.

Gilson Abreu/Divulgação
Arremeso de peso, uma das modalidades dos jogos.

Já na sua 21.ª edição, os Jogos do Sesi são considerados um dos principais e o mais tradicional evento esportivo classista do País. Eles abrangem as modalidades de futebol, futebol sete (máster e livre), futsal, natação, tênis de mesa, tênis de quadra, vôlei de praia, voleibol, basquete, atletismo, xadrez, bocha, bolão e dominó.

Os competidores são homens e mulheres, de diferentes idades, das mais diferentes atividades e segmentos industriais e que dedicam o tempo livre a treinos esportivos. Para participar é preciso um ano de carteira assinada na empresa.

Além de talentos, amizades

Para os treinadores Ari Nunes, 54 anos, trabalhador da Impressora Paranaense, e João Maria Martins, 61 anos, aposentado da Brasil Telecom, os Jogos do Sesi têm sido mais que um evento esportivo capaz de revelar talentos e de disseminar valores do esporte no ambiente de trabalho. A competição moldou o estilo de vida e uniu por laços de amizade os dois homens, que começaram como atletas e hoje treinam equipes de suas empresas. Ambos começaram nos tempos em que havia só torneio e ainda não existia oficialmente o nome Jogos do Sesi. Ari Nunes acompanha as competições há 24 anos e João Maria há 39 anos.

?Conhecemo-nos na unidade do Sesi Boqueirão, em Curitiba, como atletas de futebol, cada por sua empresa?, conta João Maria. ?No começo éramos adversários. Ao longo dos anos a amizade foi ficando cada vez mais forte e envolveu também as famílias?, completa Ari, que começou a participar dos jogos em 1982, como jogador de futebol de campo e de areia. Na Impressora Paranaense, onde está desde 1983, treina as equipes de futebol de campo, futebol sete livre, futebol sete veteranos e futsal.

Na Impressora Paranaense, 60 colaboradores, em média, participam dos Jogos do Sesi. Ao longo dos anos, a empresa vem acumulando títulos e boas colocações. Em 2005 foi campeã regional sul de futsal. Em 2003, vice-campeã da fase regional na mesma modalidade.

João Maria Martins jogava futebol e foi campeão nas primeiras competições entre industriários, conquistando inúmeros títulos, entre os quais quatro de campeão estadual. Há sete anos João Maria treina as equipes da Teleperformance (call center da Brasil Telecom), dedicando-se exclusivamente às equipes femininas de vôlei, futebol de salão e atletismo – do qual é tricampeão estadual. Foi também campeão sul-brasileiro no revezamento 4×100 (em 2004).

Os amigos creditam aos Jogos do Sesi outra grande influência em suas vidas. Eles não bebem e nem fumam, primam pela vida saudável, pela boa alimentação e sono regular. ?O melhor é que imprimimos esses bons hábitos também à família. Esse é um legado muito importante dos Jogos do Sesi nas nossas vidas?, declara Ari Nunes.