Durante boa parte do Campeonato Brasileiro, Renato Gaúcho fez questão de assumir o papel do treinador cabeça dura. Mesmo nos piores momentos do Grêmio sob o seu comando, defendia suas opções perante críticas da torcida e da imprensa. Com a vaga na Libertadores garantida, o vice-líder do Brasileirão foi à forra.

Em entrevista coletiva após a vitória sobre o Goiás, que garantiu a vaga na Libertadores, o treinador aproveitou para apontar que estava certo nas suas decisões. “Não adianta ficar pedindo pra tirar o Kleber, o Barcos. Sim, e aí? Vai botar o garoto? Será que ele vai resolver? Tem que pensar. Não posso ir pela opinião de todo mundo. Minhas convicções sempre deram certo”, comentou o treinador.

A felicidade dele era principalmente porque Barcos, criticado pela falta de gols, foi quem decidiu o confronto. O argentino foi titular sempre que esteve disponível durante a temporada e marcou só nove gols no Brasileirão (um a cada quatro jogos), mas foi decisivo.

“O Barcos e o Vargas não fizeram muitos gols neste campeonato, mas me ajudaram bastante. Preocupam bastante o adversário e nos momentos que mais precisei dos dois eles me ajudaram bastante”, lembrou Renato Gaúcho.

O técnico do Grêmio ainda fez questão de prosseguir na defesa das suas convicções: “Às vezes o treinador tem que pensar e saber que as coisas não vão acontecer como as pessoas da imprensa querem. O treinador tem que ter cabeça fria e pensar no melhor para o time, para o clube. A maior prova foi que, faltando uma rodada, o Grêmio conseguiu a vaga na Libertadores.”