Cíciro Back / GPP
paranaclube130305.jpg

André Pastor e Edimar "apanham" da bola. O jogo foi o retrato do campeonato.

A vitória do Paraná Clube sobre o Rio Branco por 1×0, ontem, no Pinheirão, foi o retrato do combalido campeonato paranaense.

Em um estádio vazio (apesar do público de quase 1.500 pagantes ser maior que a média tricolor), duas equipes com terríveis carências técnicas se enfrentaram e também tiveram que encarar a desastrosa arbitragem comandada por Marcos Tadeu Silva Mafra, que teve participação decisiva no andamento do jogo. A vitória ficou do lado de quem mais quis ganhar, e de quem tinha o único jogador acima da média – Renaldo, que mais uma vez salvou o Tricolor.

Lori Sandri preferiu manter o sistema tático com três zagueiros, mas reforçou as jogadas pela esquerda fazendo com que Vicente e Thiago Neves fossem os jogadores que mais apareciam na primeira etapa. Mas, mais que eles – e qualquer outro atleta – surgiam os erros grosseiros dos assistentes Rubens Berton e João Batista de Moraes. Eles pareciam se confundir com o vermelho das camisas de Paraná e Rio Branco.

Para completar a confusão, estava Marcos Tadeu Silva Mafra. Ele aplicou bem o cartão vermelho a Réferson, do time parnanguara, mas esqueceu que a agressão dentro da área (a cotovelada do zagueiro no capitão paranista Beto) tinha que ser revertida em penalidade. Depois, ele expulsou o lateral-direito tricolor Giuliano em uma falta sobre Daniel.

Sandri tentou colocar o time na frente, mas o Paraná errava muito, não conseguia trocar passes e transformava Renaldo em um espectador privilegiado. Mas o centroavante estava lá para salvar o Paraná. E foi em mais um lance confuso – Vicente recebeu em posição irregular e sofreu pênalti de João Paulo. Marcos Mafra não deu nem impedimento nem penalidade, e sim deixou o jogo correr. Melhor para Renaldo, que fez o gol da vitória. O resultado mantém o Tricolor vivo no campeonato paranaense.

CAMPEONATO PARANAENSE
PARANÁ 1×0 RIO BRANCO

Paraná: Flávio; Fernando Lombardi (Alex), Alison e João Vitor (André Pastor); Giuliano, Beto, Goiano, Thiago Neves e Vicente; Wellington Paulista (Hideo) e Renaldo. Técnico: Lori Sandri

Rio Branco: Márcio Vieira; Baiano, Dezinho (Kanu), Réferson e Daniel; Tião, Edimar, Roberto (Ratinho) e Tiago; Edinaldo (João Paulo) e André Nunes. Técnico: Val de Mello

Súmula
Local: Pinheirão
Árbitro: Marcos Tadeu da Silva Mafra
Assistentes: Rubens Berton e João Batista de Moraes
Gols: Renaldo 28 do 2º
Cartões amarelos: Goiano, Alison (PR); Edimar, Daniel (RB)
Cartões vermelhos: Giuliano e Réferson
Renda: R$ 9.060,00
Público: 1.734 (1.326 pagantes)