Na próxima segunda-feira, o West Ham recebe o Tottenham em um dos clássicos londrinos com mais rivalidade envolvida, por conta da proximidade da sede dos dois clubes. E ambas as diretorias estão preocupadas com a possibilidade de atos racistas vindos das suas respectivas torcidas, que têm uma rixa histórica.

Nesta quinta, os dois clubes publicaram em seus sites oficias textos a respeito dessa preocupação. No do Tottenham, a diretoria revela que a polícia pediu ao clube que lembrasse aos torcedores que eles estarão sendo vigiados no Upton Park.

“O Tottenham não vai tolerar discriminação de nenhum tipo, no campo ou na arquibancada, e vamos tomar medidas duras contra quem usar linguagem abusiva, ofensiva ou obscena”, avisa o clube. “Os torcedores são nossos embaixadores e pedimos que se comportem de uma maneira para nos orgulhar.”

O West Ham foi pelo mesmo sentido. “Todos estamos ansiosos pela visita do Tottenham, para um jogo fantástico de futebol. Não será tolerado nenhum abuso e vamos tirar um a um os torcedores que não merecem representar nosso grande clube”, aponta a diretoria, que publicou longa reportagem sobre suas ações contra a discriminação e o preconceito, inclusive com a criação de um disque-denúncia para torcedores.

Tudo isso porque, no jogo do primeiro turno do Campeonato Inglês, na casa do Tottenham, torcedores do West Ham entoaram cantos antissemitas, uma vez que o rival tem, em sua história, laços com os judeus de Londres. O medo é que os conflitos se agravem nesse reencontro.