Cinco candidatos disputam a presidência do Santos para o triênio 2015/17 na eleição deste sábado, das 10 horas às 18 horas, com votação na Vila Belmiro e na sede da Federação Paulista de Futebol (FPF), em São Paulo. Com os seguidos afastamentos do ex-presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro para tratamento de saúde, a sua renúncia em maio deste ano e a posse de Odílio Rodrigues Filho para o restante do mandato, o clube rachou politicamente, além de atravessar uma das mais graves crises financeiras de sua existência: endividamento, atraso no pagamento de jogadores, funcionários e fornecedores e seguidos fracassos no futebol profissional.

Não há favorito entre Nabil Khaznadar (chapa Avança Santos), com apoio do atual presidente; Modesto Roma Júnior (Santos Gigante), do grupo do ex-presidente Marcelo Teixeira; Fernando Silva (Mar Branco); José Carlos Peres (Santos Vivo); e Orlando Rollo (Pense Novo Santos). O pleito é histórico porque é a primeira vez que mais de dois candidatos disputam o cargo. O policiamento será reforçado como se fosse dia de clássico ou de jogo de risco para coibir excessos e possíveis enfrentamentos entre simpatizantes das chapas.

“A explicação para a eleição do Santos ter cinco candidatos é que o clube vive um momento de plena democracia. É o mesmo motivo que fez com que o Brasil passasse a ter 34 partidos políticos quando terminou a ditadura militar”, disse Odílio na última sua entrevista coletiva antes de passar o cargo.

Pelo último levantamento da secretaria do clube, 19.062 sócios estão aptos a votar – são associados com mais de 18 anos de idade, com mais de um ano de clube e que estão em dia com as mensalidades. Desse total, 2.019 mudaram o domicílio eleitoral para São Paulo e devem votar na FPF e os outros 16.983 votam na Vila Belmiro.

A assembleia será aberta às 9 horas para instalação dos trabalhos e a votação começará às 10 horas, com a utilização de 10 urnas no salão de Mármore da Vila Belmiro e quatro no salão nobre da FPF. As urnas são eletrônicas, alugadas da empresa Microbase, e, de acordo com o presidente do Conselho Deliberativo, Paulo Schiff, foram aprovadas pelas cinco chapas.

A preferência era pela utilização de urnas eletrônicas do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), mas não foi possível porque o equipamento está dentro do período de quarentena por causa do segundo turno da eleição para a presidência da República.

O presidente e o vice do Comitê de Gestão e os novos membros do Conselho Deliberativo serão empossados simbolicamente em seguida à apuração dos votos, mas, pelo estatuto do clube, assumirão de fato em 1.º de janeiro de 2015.