Campeonato estadual mais rico do Brasil, o Paulistão de 2015 deu prejuízo em mais de um terço de suas partidas da fase de classificação. Só Corinthians, Palmeiras, São Bernardo e Penapolense tiveram lucro em todos os seus jogos. Até mesmo Santos e São Paulo, que historicamente sempre tiveram bons públicos no Estadual, amargaram déficit em alguns jogos.

Levantamento com base nos boletins financeiros divulgados pela Federação Paulista de Futebol (FPF) mostra que dos 150 jogos da primeira fase, em 63 a verba arrecadada com a venda de ingressos não cobriu os gastos para organizar o evento. O prejuízo acumulado por 16 dos 20 clubes do Estadual foi de R$ 710 mil. Entre os custos com que os clubes têm de arcar em cada partida estão aluguel de ambulância, seguro para torcedores, 5% de INSS, exame antidoping, delegado, fiscalização, fundo de manutenção, confecção de ingressos e policiamento.

Em duas partidas (contra São Bento e Penapolense), o Botafogo, de Ribeirão Preto (SP), por exemplo, não conseguiu que a arrecadação com bilheteria cobrisse estas despesas. Para o presidente Rogério Cassius Barizza, a culpa é horário dos jogos. “A tevê atrapalha muito a vida dos clubes. Em um jogo às 21 horas de sábado é impossível você ter bom público”.

Para o XV de Piracicaba, o prejuízo foi ainda maior. O clube não conseguiu arcar com as despesas da partida em quatro rodadas (diante de Ituano, Portuguesa, São Bento e Ponte Preta). “Estamos na primeira divisão pelo terceiro ano seguido e o interesse do torcedor diminuiu. Não temos nenhum atrativo e isso faz o torcedor preferir assistir ao jogo num bar ou num restaurante, tomando cerveja”, reclamou o presidente Rodrigo Campos Boaventura.

Para equilibrar as finanças, o XV de Piracicaba usou mesma a estratégia adotada pelos outros clubes do interior quando recebe os quatro grandes times do Estado: aumentou o preço do ingresso. Diante do Corinthians, na última quarta-feira, o valor do bilhete mais do que dobrou, passando de R$ 30 para R$ 80. “A única coisa que compensa financeiramente no Campeonato Paulista em termos de bilheteria é esse tipo de jogo”, admitiu Boaventura.

DUPLA EM BAIXA – O São Paulo teve prejuízo em duas partidas. Contra o Linense, com 5.492 pagantes no estádio do Morumbi, o déficit foi de R$ 3.517,33. O mesmo ocorreu diante do São Bento. O público foi de apenas 4.507 torcedores e o clube teve de tirar R$ 6.478,01 dos seus cofres para cobrir as despesas.

O Santos amargou prejuízo contra Linense e Rio Claro. No primeiro jogo, a diretoria transferiu o mando para o estádio do Pacaembu, em São Paulo, o público ficou abaixo do esperado e déficit foi de R$ 19.113,05. Contra o Rio Claro, o rombo foi maior: R$ 24.880,62.