Valquir Aureliano
Reunião ontem entre torcidas e PM: como na Arena, visitantes não terão nenhum privilégio.

Dentro de campo, Coritiba e Atlético vão para o clássico em condição de igualdade. Mas na arquibancada, em apenas um lado do Couto Pereira a festa será completa. Enquanto para a torcida coxa-branca tudo estará liberado para deixar o espetáculo mais bonito, os atleticanos contarão apenas com o coração e a garganta para incentivar os jogadores do Furacão.

Além de ter reservado 90% do estádio, a torcida alviverde poderá colorir o Alto da Glória com todo tipo de material e fazer muito barulho com a bateria. A Império promete um grande espetáculo, com surpresas para animar ainda mais a galera coxa.

Alguns objetos, como bandeiras com mastros de bambu, só podem ser levados por membros da torcida organizada. ?Tudo isso será controlado. Os portadores desses objetos serão registrados pela diretoria da Império. Se algum problema acontecer com esse material, o responsável por ele estará identificado?, explica o major Douglas Dabul.

Para tentar equilibrar a disputa na arquibancada, os atleticanos terão que gritar muito. Nenhum adereço ou instrumento musical poderá entrar do lado rubro-negro do Couto. Bandeiras, faixas, sinalizadores e as tradicionais caveiras de isopor estão vetados.

A medida é uma forma de o Coxa dar o troco à diretoria do Atlético. Em jogos na Baixada, são os alviverdes que são proibidos de levar seu material. ?Isso começou com uma postura da diretoria do Atlético. Adotamos, desde o ano passado, como forma de resolver essa questão, que quando cada clube cede ou não em algum item, acontece a reciprocidade quando se inverte o mando de jogo?, diz o major Dabul.

Os atleticanos ficaram desapontados, mas não contestaram a decisão. ?Gostaríamos que houvesse um acordo para que as duas torcidas pudessem fazer sua festa. O acesso do material deles deveria ser ampliado na Baixada, para que o mesmo acontecesse no Couto. Mas mesmo com tudo proibido, faremos a diferença no grito?, promete o vice-presidente da Os Fanáticos, Juliano Rodrigues.

Os coxas garantem que, caso o Rubro-Negro reveja sua posição, farão o mesmo nos próximos clássicos. ?Nos jogos com o Paraná não existem essas restrições, porque temos um bom relacionamento. Para mudar essa situação precisa haver bom senso dos diretores do Atlético?, pede Luiz Fernando Corrêa, presidente da Império Alviverde. Ontem à tarde, nenhum representante da diretoria atleticana compareceu à reunião com a PM, no Couto Pereira.

Clássico terá  25 mil ingressos

Está tudo pronto para o torcedor fazer a sua parte no maior clássico do Paraná. Ontem, uma reunião entre as torcidas organizadas da dupla Atletiba e a Polícia Militar definiu os últimos detalhes para o jogo de domingo, às 18h, no Couto Pereira.

Trinta e cinco mil lugares estão à disposição da galera. A torcida coxa-branca irá ocupar 90% das arquibancadas. Inicialmente, 22.500 ingressos estarão à venda para os coritibanos e apenas 2.500 para os rubro-negros. Caso essas entradas se esgotem, uma nova carga será enviada para as bilheterias. A diretoria do Coxa promete que, nesse caso, irá liberar o correspondente a 10% dos novos bilhetes para os atleticanos.

Os ingressos para a torcida alviverde estão à venda desde a última terça-feira, no Couto. Os coxas podem entrar pelos portões da Mauá e da Amâncio Moro.

Para os atleticanos, as vendas começam às 10h de hoje, na Arena da Baixada. Desta vez, a prática de cobrar mais caro da torcida visitante foi abolida e os ingressos para o espaço reservado aos rubro-negros será o mesmo (R$ 20, ou R$ 10 para quem tem direito à meia-entrada). No domingo, não haverá ingressos à venda para os rubro-negros nas bilheterias do Couto. O acesso ao estádio é pela Rua Floriano Essenfelder.

Como em todo clássico, a preocupação com a segurança foi o principal assunto da reunião de ontem, realizada em uma sala do Couto Pereira. Estiveram presentes representantes das torcidas Império Alviverde, do Coritiba; Os Fanáticos e Ultras, do Atlético, e Fúria Independente, do Paraná. Os paranistas compareceram para discutir as diretrizes que serão aplicadas em todos os clássicos da temporada.

Segundo o major Douglas Dabul, chefe do setor de planejamento do Comando de Policiamento da Capital, da Polícia Militar, um esquema especial está montado. ?Além do efetivo normal, teremos o reforço do pessoal da área administrativa e do pessoal que estaria de folga. Além do entorno do estádio, teremos um policiamento extra nos terminais de transporte coletivo?, revela.

Só poderão permanecer nos arredores do estádio os torcedores que irão assistir ao jogo. ?A Rua Mauá estará isolada e somente entrará quem tiver ingresso?, avisa Dabul. A PM também fará a escolta dos atleticanos que irão se reunir na Baixada antes da partida. Camisas de torcidas organizadas estão proibidas para as duas torcidas.