Quase um mês depois do estarrecimento causado com a aparição de uma suástica no gramado do Poljud Stadium, na cidade de Split, durante duelo com a Itália pelas Eliminatórias para a Eurocopa de 2016, o governo da Croácia se manifestou nesta quarta-feira. Em carta enviada à Uefa, o primeiro-ministro do país, Zoran Milanovic, pediu que a entidade amenize a punição à seleção local.

Milanovic escreveu diretamente ao presidente da Uefa, Michel Platini, e manifestou que “sanções draconianas” poderiam “destruir a seleção nacional”. Além disso, garantiu que o incidente da suástica foi direcionado contra a Associação Croata de Futebol, que recentemente iniciou uma disputa com torcedores locais.

Ainda segundo a carta escrita pelo primeiro-ministro do país, uma punição rígida por parte da Uefa “poderia imprimir uma cicatriz permanente nas almas dos torcedores croatas e danificar o futebol da Croácia por um longo período”, e a polícia local estaria próxima de localizar os responsáveis pelo ato.

Croácia e Itália ficaram no empate por 1 a 1 no dia 12 de junho em partida que foi disputada com portões fechados justamente por conta do comportamento racista da torcida croata em um duelo prévio diante da Noruega, também pelas Eliminatórias.

Durante o confronto, foi possível observar uma suástica impressa no gramado do estádio em Split, perto das câmeras de tevê. Não era possível afirmar se o símbolo nazista havia sido formado pelo corte da grama ou pintado. Funcionários ainda tentaram apagar a marca durante o intervalo, mas o esforço foi em vão.