Evandro Monteiro/Arquivo
Reunião do tribunal fez Hagebock ficar na presidência.

Tudo continua como antes no quartel do TJD paranaense.

O presidente do Tribunal, José Roberto Hagebock, voltou atrás em sua decisão e não se licenciou do cargo. A posição foi tomada após uma reunião realizada no final da tarde de 5.ª-feira entre o presidente, o vice Lourival Barão e o procurador Bortolo Escorsim.

Hagebock despachou normalmente ontem no TJD, inclusive definindo a data do julgamento do mandado de garantia que envolve as equipes do Engenheiro Beltrão e Toledo, cujo processo o Superior Tribunal de Justiça Desportiva – STJD – determinou que fosse julgado pelo tribunal desportivo do Estado. ?O pleno do TJD vai julgar o processo no dia 25, às 18 horas, na sala de sessões?, anunciou Hagebock.

Infundadas

O vice-presidente do TJD-PR, Lourival Barão, afirmou à reportagem da Tribuna que as acusações do STJD contra o órgão não tem fundamento. Segundo ele, Hagebock só tomou conhecimento do documento encaminhado pelo auditor do STJD, Alexandre Quadros, na tarde de quinta-feira. ?O fax do auditor do STJD

foi encaminhado à FPF e a federação só o repassou ontem (quinta-feira). Somente nesse dia é que José Roberto tomou conhecimento do documento. O TJD estava em recesso até o dia 15?, explicou o vice.

Ainda conforme Barão, o presidente do TJD não foi intimado a prestar esclarecimentos e o fará assim que for convocado.

?Desde que seja intimado, ele prestará sua defesa.?

Levantamentos realizados pela Procuradoria do STJD levaram o órgão a pedir o afastamento preventivo do presidente do TJD. Hagebock foi denunciado no STJD, anteontem, pelo procurador-geral Paulo Schmitt por infração aos artigos 221 e 223 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva.