O futuro do Paraná Clube já está delineado, mas só será oficializado ao longo desta semana. O presidente Rubens Bohlen anunciou que entre amanhã e quinta-feira irá divulgar profundas alterações no departamento de futebol, com a chegada do novo treinador e de um gerente de futebol. Portanto, o sábado passado foi marcado por despedidas. Alex Brasil seguiu o mesmo caminho de Dado Cavalcanti e também anunciou o fim de seu ciclo no Tricolor. ‘Estamos tristes com o resultado final da Série B. Porém, em outros anos, nosso torcedor teve que comemorar o não rebaixamento. Desta vez, passamos perto e isso só nos dá mais forças para que ano que vem a gente possa estar aqui festejando a volta à Série A’, disse Rubens Bohlen.

O dirigente agradeceu o empenho de todos ao longo da temporada e enalteceu a forma digna e profissional com que Dado Cavalcanti conduziu o Paraná ao longo da Série B. ‘Ele mostrou todo o seu caráter nesses meses. Recusou ofertas e, no fim, fez questão de dirigir a equipe, mesmo já tendo definido a sua saída’, ressaltou o dirigente. Bohlen, indagado sobre possíveis treinadores, limitou-se a falar que o objetivo é buscar alguém com um perfil parecido com o de Dado Cavalcanti. ‘Quem sabe ele não estava aqui na Vila, vendo o jogo?’, disparou o presidente paranista. A indagação fez aumentar a especulação em torno de Sidney Moraes, que não renovará seu vínculo com o Icasa.

O treinador, porém, desconversou. ‘Não fui procurado pelo Paraná. Vou definir meu futuro a partir de segunda-feira’, disse. A declaração de Moraes fez com que as atenções novamente se voltassem para Marquinhos Santos. Sem clube desde setembro, quando deixou o Coritiba, ele já teria recebido uma proposta do Paraná, mas também estuda sondagens de outros clubes, inclusive da Série A.