O presidente do Barcelona, Josep Bartomeu, discursou nesta quarta-feira, durante assembleia do clube, e aproveitou o encontro pata manifestar o seu desejo de poder cumprir o seu mandato até o fim. O dirigente disse que espera permanecer no cargo pelo menos até junho de 2016 com o objetivo de dar “estabilidade” ao clube, que teve uma última temporada europeia bastante atribulada.

Falando diretamente para um grupo formado por sócios mais veteranos do Barça, Bartomeu enfatizou a necessidade de o clube traçar seu planejamento a “longo prazo”, sem atropelos depois de amargar “a temporada mais difícil” de sua história recente. Neste último período do futebol europeu, além de ter conseguido apenas a Supercopa da Espanha como título, o Barça ainda amargou a morte do técnico Tito Vilanova, vítima de câncer que o obrigou a deixar o cargo para a chegada de Gerardo Martino.

O treinado argentino, entretanto, ficou menos de um ano no comando após não conseguir atingir os objetivos traçados pelo clube, que recentemente contratou Luis Enrique como substituto. E Bartomeu aposta no sucesso do ex-jogador do próprio Barça na função de comandante da equipe.

“Estamos convencidos de que Luis Enrique está plenamente capacitado para levar adiante essa reconversão que nos levará de novo ao sucesso e a ver o futebol que todos nós queremos”, afirmou Bartomeu, reconhecendo também que vive um “momento decisivo para construir um novo Barça, uma equipe que voltará a emocionar, que voltará a atrair os torcedores e que voltará a ganhar (títulos)”.

O dirigente também não deixou de abordar temas polêmicos que abalaram a reputação do Barcelona na última temporada, sendo as principais delas a contratação de Neymar, pivô do pedido de renúncia do presidente Sandro Rosell, e a punição aplicada pela Fifa ao clube por causa de irregularidades em transferências internacionais de jogadores menores de 18 anos.

Ao falar sobre as acusações que pesam contra o clube, indiciado sob suspeita de ter sonegado mais de 9 milhões de euros na transação envolvendo Neymar, Bartomeu disse que “tem a consciência muito tranquila de ter feito o melhor para defender os interesses esportivos e econômicos do Barça”. Já ao falar sobre a punição da Fifa, que inicialmente proibiu o clube de fazer contratações e depois suspendeu a sanção de forma provisória, o dirigente prometeu “defender até o fim” o modelo de formação de atletas existente na base do time.