O futuro do Paraná Clube pode ser definido na próxima terça-feira. Contra o Gama às 19h30, no Mané Garrincha estará em jogo muito mais do que os três pontos.

O clube corre atrás de um resultado que lhe permita enfim “respirar”, livre da pressão pelo risco de rebaixamento. Situação que não só causa apreensão entre os paranistas, como trava qualquer possibilidade do clube avançar no planejamento para a temporada 2009.

A diretoria já esteve reunida por duas vezes com o técnico Paulo Comelli. Mas nem mesmo o treinador se sente à vontade para definir uma renovação enquanto a meta de salvar o Paraná da degola não for cumprida.

“Esperávamos definir isso esta semana, pois não acreditávamos num tropeço contra o São Caetano. Ainda mais depois do que o time jogou no primeiro tempo”, admitiu o presidente Aurival Correia. Assim, com as mãos atadas, todos esperam o fim do sofrimento para poder visualizar um futuro mais promissor.

E, enquanto a situação da comissão técnica não se define, também não há nenhuma conversa no sentido de formação do elenco. “Confiamos muito no trabalho do Comelli e vamos primeiro definir a situação dele. O treinador é que indicará os atletas que devem continuar e as contratações necessárias para que a gente inicie 2009 com um grupo forte e livre das turbulências”, explicou Correia.

O presidente tricolor sabe que no ano que vem o clube precisa recuperar a sua credibilidade, já montando no estadual o time que disputará o Campeonato Brasileiro.

“Não podemos mais errar. Por isso, temos que iniciar a temporada com um grupo competitivo”, analisou. Essa, aliás, é uma das condições para a permanência de Comelli. Até onde foi possível apurar, o treinador sequer pediu aumento salarial.

O que Paulo Comelli deseja é apenas um grupo competitivo, com infra-estrutura para poder brigar pelo título paranaense e, assim, já armar um time forte para o projeto de retornar à elite nacional.

“Não será uma missão fácil, pois o orçamento é restrito. Mas vamos atrás de parceiros, para manter os principais jogadores e buscar as peças que eventualmente serão pedidas pela comissão técnica”, arrematou o presidente.

Aurival Correia disse que o clube estará aberto a parcerias, mas sem o vínculo definitivo com apenas um grupo empresarial. Houve nova aproximação com a L.A. Sports (que ao lado do Tricolor irá ajudar na montagem do time do Iguaçu de União da Vitória).

“O Paraná vai se manter aberto a esses investidores. A L.A. nos ajudou no passado e continuamos tendo um bom relacionamento”, confirmou Correia. Hoje, especula-se que a L.A. teria interesse em levar Leonardo e Fabrício para o Avaí. O clube catarinense está próximo da Série A e é gerido pela empresa.