O técnico do Chile, o argentino Juan Antonio Pizzi, classificou – em entrevista coletiva nesta quarta-feira, na Rússia – a Alemanha como um adversário muito competitivo nesta Copa das Confederações, apesar de o colega alemão Joachim Löw ter formado um grupo com muitos jogadores jovens e inexperientes. Chilenos e alemães se enfrentarão nesta quinta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Kazan, pela segunda rodada do torneio.

“Seguem a estirpe e o DNA do jogador alemão: muito arrumado, com técnica apurada, físico privilegiado, movimentos táticos muito flexíveis. Muitas opções a escolher. Todos têm um nível muito alto. Não me surpreende (Joachim) Löw ter confiado neste grupo”, destacou o treinador chileno.

Juan Antonio Pizzi lembrou que os jogadores convocados por Joachim Löw para a disputa desta edição da Copa das Confederações atuam nas melhores equipes do mundo e que o resultado da partida contra a Austrália (vitória por 3 a 2), na primeira rodada, não refletiu a superioridade dos alemães durante grande parte do duelo.

“Às vezes é muito difícil confirmar a superioridade no marcador. Aconteceu conosco e com outras equipes”, analisou Juan Antonio Pizzi, recordando a força demonstrada pela Alemanha na goleada por 7 a 1 sobre o Brasil na semifinal do Mundial de 2014, algo que o treinador ressaltou que ocorre em raras oportunidades.

O comandante chileno também descartou o favoritismo de sua seleção no embate contra os alemães. “Ser favorito não tem nenhuma relevância. Não muda nada. Competimos contra todos os adversários da mesma forma, sejam partidas oficiais ou amistosos”, frisou Juan Antonio Pizzi.