A Pirelli demonstrou preocupação com seu futuro na Fórmula 1 nesta quinta-feira. A fornecedora de pneus da categoria cobra a definição de um novo contrato nas próximas semanas, a tempo de iniciar a elaboração dos compostos que serão utilizados na próxima temporada.

“A situação é extremamente séria. Talvez não estejamos aqui no próximo ano”, afirmou Paul Hembery, diretor esportivo da Pirelli, ao exigir um novo vínculo com a F1. Com duração de três anos, o atual contrato da empresa italiana se encerra no fim deste ano. “Em algum momento, alguém tem que tomar a decisão. Estamos tentando dizer que alguma coisa precisa ser feita e rapidamente”, reforça.

Hembery quer acelerar as negociações de um novo vínculo por causa das mudanças que a F1 enfrentará em 2014. As novas regras vão exigir carros com muitas alterações, com viés sustentável, o que levará à confecção de pneus também diferenciados. Hembery avisou que a Pirelli pretendia iniciar a elaboração dos novos compostos nos próximos meses.

No entanto, a falta de definição quanto ao futuro atrapalha o planejamento da fornecedora da F1. “No dia 1º de setembro precisaríamos avisar às equipes sobre as mudanças promovidas nos pneus para a próxima temporada. Mas já estamos no meio do caminho, então você pode imaginar como é ridícula esta situação em que não temos nem o contrato definido ainda.”

“As mudanças para o próximo ano são tão substanciais que os dirigentes precisam tomar uma decisão rápida. Porque, além das questões burocráticas da negociação, há os assuntos técnicos envolvidos no trabalho”, alertou.

“Vai chegar um momento em que não teremos mais tempo para dar conta de tudo”, disse Hembery, ao citar a complexidade das alterações nos carros. Uma das principais será a substituição do atual motor V8, de 2,4 litros, para o motor turbo V6, de 1,6 litro.

 

A Pirelli cobra rapidez na definição do novo contrato justamente em pior momento nesta recente passagem pela F1. Algumas das principais equipes criticaram fortemente a alta degradação dos pneus fornecidos neste ano. Como resposta, a empresa italiana prometeu mudanças nos compostos no decorrer da temporada, o que gerou reclamações por parte de outros times, mais bem adaptados aos pneus desde as primeiras corridas de 2013.