A ondulação de norte começa a perder força na ilha de Oahu, no Havaí, o que é bom para a formação dos tubos na praia de Pipeline, mas mesmo assim ainda não é suficiente para a disputa do Pipe Masters. Nesta quarta-feira, a organização decidiu mais uma vez não colocar os surfistas na água.

O prazo para o término do evento, sábado, vai ficando cada vez mais curto, mas a Associação dos Surfistas Profissionais (ASP) mantém o otimismo e vê para esta quinta-feira uma grande possibilidade de reinício da competição, mesmo que as ondas não tenham um bom tamanho.

Pela previsão dos especialistas, a condição do mar vai ficar melhor a partir de quinta-feira depois do almoço e continuará boa no dia seguinte. Faltam ser realizadas 27 baterias para o final do Pipe Masters, o que dá aproximadamente 12 horas de competição, se a terceira fase for realizada no sistema de “dual heats”, ou seja, duas baterias simultâneas na água.

Dentro desse panorama, o torneio pode terminar em um dia e meio de competição, mas antes disso o título mundial já poderá ter sido decidido. O brasileiro Gabriel Medina lidera o ranking à frente de Mick Fanning e Kelly Slater e se vencer sua bateria na terceira fase dará um grande passo para o título inédito.

Nesta quinta-feira, às 7h30 (15h30 no horário de Brasília), haverá um novo chamado para ver se existe possibilidade de reinício do Pipe Masters.