Pelé apresenta “boa evolução clínica”, segundo o novo boletim médico do Hospital Albert Einstein, onde ele está internado em São Paulo. Divulgado no começo da tarde deste domingo, o informe também revela que o paciente de 74 anos não tem “sinais de infecção” e mantém “tratamento com antibióticos”.

Internado desde o dia 24 de novembro, Pelé chegou a ficar algum tempo na UTI, passando depois para a unidade semi-intensiva. No sábado, porém, foi transferido para um quarto do hospital, o que comprova sua evolução constante nos últimos dias. Mas os médicos ainda não divulgaram previsão de alta.

O ex-jogador tinha ido ao hospital naquele dia 24 de novembro para fazer exames de rotina, após a cirurgia, realizada duas semanas antes no mesmo Albert Einstein, para retirada de cálculos renais (pedras no rim). Na ocasião, os médicos detectaram uma infecção renal e decidiram interná-lo.

A situação ficou mais grave em 27 de novembro, quando o paciente, segundo o boletim médico, apresentou “instabilidade clínica”. O quadro era mais complicado porque ele tem apenas um rim – o outro foi removido ainda na década de 70, por suspeita de câncer. Assim, começou a fazer hemodiálise.

O procedimento foi suspenso pelos médicos três dias depois. Sem a hemodiálise, Pelé passou a ter avaliações diárias da função renal, mostrando boa evolução desde então. Assim, ele deixou a UTI na terça-feira, passando inicialmente para a semi-intensiva e, na sequência, para o quarto.

Na última sexta-feira, inclusive, Pelé chegou a divulgar um vídeo na internet para mostrar que estava se recuperando bem. Na mensagem gravada dentro do hospital, ele apareceu tocando violão e aproveitou para agradecer o carinho dos fãs. “Eu estou bem, estou recuperado”, avisou o ex-jogador.