Em meio ao conturbado momento pelo qual passa o Flamengo, um dos principais líderes do elenco, o goleiro Paulo Victor, foi o escolhido para falar com a imprensa nesta quinta-feira. Ele lamentou o afastamento dos cinco colegas que participaram de uma festa na última terça-feira, mas disse que o grupo acatou a decisão da diretoria.

“Não quero falar das pessoas, porque cada um sabe o que faz. Não vou ficar julgando se é certo ou errado, mas fico triste porque gosto deles, são jogadores de qualidade e queria que estivessem do nosso lado. Mas sou funcionário do clube e tenho que respeitar qualquer decisão imposta pela diretoria”, declarou.

Alan Patrick, Everton, Marcelo Cirino, Paulinho e Pará foram afastados pela diretoria na última quarta-feira, quando veio à tona a história de uma animada festa realizada na véspera, com a presença dos cinco jogadores. Os cartolas do Flamengo consideraram que o momento para festejar era inoportuno e por isso tomaram tal decisão, sem maiores explicações.

Além da perda técnica, com a saída de três titulares absolutos – Alan Patrick, Everton e Pará -, a decisão da diretoria deixou o clima no clube ainda mais pesado. Os resultados já não estavam ajudando, uma vez que o Flamengo vem de três derrotas seguidas e venceu apenas uma das últimas sete partidas. Para Paulo Victor, agora é a hora dos jogadores mostrarem união.

“Estar junto em momento fácil é mole. Agora é momento de passar confiança para quem irá entrar. O jogo contra o Grêmio será dificílimo. Enquanto tiver 1% de chance vamos brigar por ela. Faltam seis rodadas e iremos buscar coisas melhores”, disse, mirando o duelo deste domingo contra o time gaúcho em Porto Alegre.