Goiano vai pra armação.

“Não precisamos de torcedor nervoso no estádio.” Com a frase, o técnico Paulo Campos resumiu aquilo que ele espera da galera tricolor a partir de amanhã, quando o Paraná Clube recebe, às 18h, o Corinthians. Sabendo que não será fácil conter a ansiedade da torcida, o treinador já vai preparando os ânimos daqueles que marcarão presença nas arquibancadas do Pinheirão. Todos imaginam um jogo truncado, com poucos espaços e decidido nos detalhes. Mesmo que nos últimos segundos de bola rolando.

“Será assim nesta reta final. Não teremos mais goleadas, não. Serão placares apertadinhos… 1×0… 2×1”, comentou Paulo Campos. O alerta aos torcedores visa impedir que o eventual nervosismo vindo da arquibancada possa atrapalhar o comportamento do time. “Nestas dez rodadas será fundamental jogar com inteligência. Quem se atirar à frente na loucura vai se dar mal.” Os exemplos citados pelo treinador são os recentes empates contra Palmeiras e Atlético Paranaense. “Conquistamos os dois pontos porque soubemos cadenciar os jogos.”

A postura do treinador incide diretamente na formação da equipe. Paulo Campos mais uma vez investe na ocupação do meio-de-campo, com cinco jogadores no setor. Desta vez, sem Beto, Marcel e Canindé, teve que armar uma nova equipe. Messias entra normalmente na cabeça-de-área, mas a articulação do tricolor terá, amanhã, um novo perfil. A começar por Fernando, que entra – como já ocorreu no clássico – na vaga de Canindé. Sem a mesma velocidade, Fernando prima pelo toque de bola e pelas assistências. O treinador quer a equipe com precisão nos passes, fazendo com que Cristian e Galvão não fiquem isolados à frente.

A novidade fica por conta da entrada de Goiano na meia-direita. Volante de origem, ele atuou na ala direita frente ao Atlético. “Fez um bom jogo e, por isso, está mantido no time”, comentou Campos. Com a volta de João Paulo à lateral, Goiano terá maior liberdade para criar. O treinador sabe que o forte de Goiano é a marcação, mas destaca a condição do atleta que sempre busca uma jogada mais ofensiva, normalmente pelo lado direito do campo. “Não vou só marcar”, avisou o jogador.

Congestionando o meio-campo

A postura do treinador, de muita cautela, incide diretamente na formação da equipe. Paulo Campos, mais uma vez, investe na ocupação do meio-de-campo, com cinco jogadores no setor. Desta vez, sem Beto, Marcel e Canindé, teve que armar uma nova equipe. Messias entra na cabeça-de-área, mas a articulação tricolor terá, amanhã, um novo perfil. A começar por Fernando, que entra – como no clássico – na vaga de Canindé. Sem a mesma velocidade, Fernando prima pelo toque de bola e pelas assistências. “Teremos que compensar a ausência do Canindé com a velocidade da bola”, alertou Campos. Ou seja, o treinador quer a equipe com precisão nos passes, fazendo com que Cristian e Galvão não se isolem.

A novidade fica por conta da entrada de Goiano na meia direita. Volante de origem, ele atuou na ala-direita frente ao Atlético. Com a volta de João Paulo à lateral, Goiano terá mais liberdade para criar. O treinador sabe que o forte de Goiano é a marcação, mas destaca a condição do atleta que sempre busca uma jogada mais ofensiva, normalmente pelo lado direito do campo. “Não vou só marcar”, avisou o jogador.