Brasília (AE) – O patrocínio de empresas para atividades esportivas poderá chegar a R$ 300 milhões no próximo ano. Segundo o ministro do Esporte, Agnelo Queiroz, este deverá ser o teto, em 2005, para os descontos que as empresas que patrocinarem qualquer modalidade esportiva poderão fazer do Imposto de Renda. Os recursos estarão previstos no projeto da Lei de Incentivo ao Esporte, que, segundo Agnelo, será encaminhada ao Congresso pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva até o fim deste ano.

Segundo o ministro, cada empresa poderá descontar do imposto até 95% do total investido. O valor do incentivo fiscal dado a todas as empresas, porém, não poderá ultrapassar o teto orçamentário. Para os anos seguintes, de acordo com Agnelo, esses recursos poderão aumentar, conforme o interesse manifestado pelas empresas. A proposta está agora em estudo no ministério da Fazenda. Agnelo participou neste sábado, no Iate Clube de Brasília, de homenagem aos iatistas Torben Grael e Marcelo Ferreira, medalhistas olímpicos em Atenas.

Segundo o ministro, um estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) mostra que para cada US$ 1 investido em esporte há uma economia de US$ 3,2 dólares na saúde. “Não significa abrir mão de recursos, é investimento e volta em auto-estima para o País” afirmou.