Depois de marcar dois dos quatro gols do Brasil na vitória por 4 a 2 sobre o Equador, na última quarta-feira, Alexandre Pato está confiante de que poderá voltar a brilhar pela seleção brasileira no duelo do próximo domingo, contra o Paraguai, em La Plata, pelas quartas de final da Copa América. O atacante disse esperar por novo confronto complicado diante dos paraguaios, contra quem passou em branco na primeira fase da competição, mas aposta que chegará mais preparado desta vez para furar o bloqueio defensivo do adversário.

“Vai ser um jogo difícil, mas sei daquilo que tenho de fazer. Vou tentar até mesmo estudar o Paraguai e o meu trabalho é esse: marcar os gols. Vai ser difícil, mas tenho até domingo para estudar o que tenho de fazer no jogo”, afirmou o jogador, de forma repetitiva, durante entrevista coletiva nesta sexta-feira, em Campana, na Argentina.

Pato destacou que não se abalou com o fato de ter sido substituído por Fred no segundo jogo do Brasil na Copa América, justamente contra o Paraguai, e visto o atacante do Fluminense fazer o gol que salvou o País da derrota no confronto que terminou empatado por 2 a 2. “Aquilo fez com que eu só crescesse cada vez mais. O lance do Fred, de quando ele entrou, foi uma emoção muito grande, pois aquele gol nos deu o empate”, disse o atacante.

O atleta do Milan também garantiu não ter ficado abalado com as críticas, as quais ele garante que serviram de combustível para que ele desencantasse diante dos equatorianos. “Contra o Paraguai eu não fui feliz, e infelizmente o goleiro pegou (a melhor chance que ele teve de marcar), mas fiquei com aquilo na cabeça e pensei que não seria aquilo que iria me abater”, enfatizou Pato, para depois completar: “De vez em quando a crítica até ajuda para que você chegue na hora do treinamento e se esforce mais. Até no treino você pode errar e vão falar. Mas esse é o meu trabalho. E tenho que fazer o meu trabalho e de vez em quando não escutar algumas coisas”.

E Pato prevê um novo tipo de competição pela frente a partir deste domingo para o Brasil. Ele lembrou que agora os erros terão um peso maior e poderão custar caro ao País. “É o meu segundo campeonato com a seleção principal. No primeiro eu consegui ser campeão na Copa das Confederações. Agora tem o mata-mata da Copa América e é uma nova Copa América. Espero que a gente possa crescer em cima dos erros que cometemos em outros jogos. Se dedicando e esquecendo o que a gente errou, tenho certeza de que a gente vai chegar ao nosso objetivo, que é ser campeão”, opinou, antes de fazer um alerta: “É um jogo diferente, em que não se pode mais errar, e quem errar menos vai sair com a vitória”.