Rio – Evitar que o sentimento de “revanche” tome conta dos jogadores da seleção brasileira contra os franceses e aproveitar os dez dias reunido com o grupo na Europa para treiná-lo são os principais objetivos do técnico Carlos Alberto Parreira, nos amistosos em Paris, quinta-feira, e contra a Catalunha, dia 25, em Barcelona. A equipe embarca hoje à tarde para Paris e, após os confrontos, retorna ao Brasil e ficará concentrada na Granja Comary, em Teresópolis, para as partidas pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006 contra a Argentina, dia 2 de junho, em Belo Horizonte, e o Chile dia 6, em Santiago. Ontem, o zagueiro Cris, do Cruzeiro foi convocado.

“O que passou, passou”, disse Parreira, se referindo à final da Copa do Mundo de 1998, quando o Brasil foi derrotado pela França, por 3 a 0, no mesmo local da partida comemorativa do Centenário da Fifa, o Stade de France – Saint Denis. “Vai ser um belo amistoso, de grande rivalidade, entre os dois últimos campeões mundiais. Mais importante que o resultado é dar seqüência ao trabalho.”

O coordenador-técnico da seleção, Zagallo, treinador do time vice-campeão Mundial em 1998, concordou com Parreira, frisou que o episódio foi superado e disse preferir se lembrar do confronto contra os franceses na Copa do 1958, na Suécia. “É melhor lembrar do filme de 1958, quando ganhamos por 5 a 2 e fomos campeões.”

Por causa dos dois amistosos, o treinador terá a oportunidade de ficar reunido com os jogadores por dez dias seguidos e poderá realizar um total de cinco treinamentos. A primeira movimentação já será comandada por Parreira amanhã à tarde.

Convocação

Parreira convocou ontem o zagueiro Cris, do Cruzeiro, porque provavelmente será obrigado a desconvocar Juan, do Bayer Leverkusen. O atleta do time alemão comunicou ao médico da seleção, José Luiz Runco, que está com uma mialgia.