Depois de uma manhã de exames médicos, os jogadores do Paranavaí folgaram ontem. Trabalho quem teve foi a direção do clube que recebeu oficiais de Justiça, empenhados em reter a renda do primeiro jogo da decisão contra o Coritiba. Eles atendem à quatro ações trabalhistas. A que mais desconforto causa é a impetrada pelo jogador Gilmar Nardi.

O meia, que jogou no clube em 1999, reclama direitos trabalhistas que somam R$ 8 mil. O clube tentou, em vão, um acordo com o jogador, oferecendo-lhe R$ 5 mil. A renda não foi divulgada, ao passo que o público foi de 8.665 pagantes.

Problemas administrativos à parte, o Vermelhinho inicia hoje os treinos para o jogo decisivo, confirmado para as 17h de domingo, no Couto Pereira. Júlio, recuperado de uma contusão no joelho esquerdo, faz testes físicos. Se não acusar dores, será novamente titular. Outro que volta é o zagueiro Marcelo, que cumpriu suspensão. Vanderlei, que o substituiu, pode permanecer na equipe, se o técnico Itamar Bernardes resolver escalar três zagueiros. Neste caso, Gian ou Márcio pode sacrificado.

O Paranavaí planeja viajar quinta-feira para Curitiba. “É para nos acostumarmos ao clima da capital”, afirma Bernardes, que tem convite do Cianorte, que prepara-se para a segundona paranaense. Outro que tem convite para deixar o Vermelhinho é Neizinho, um dos artilheiros do estadual e que pode se transferir para o Paraná Clube.