A seleção pré-júnior de beisebol do Brasil é considerada campeã moral do Campeonato Mundial da categoria, recentemente disputado e encerrado na cidade de Marion/Ohio, Estados Unidos.

Dificuldades de última hora no embarque impediram que a seleção brasileira disputasse a fase classificatória. Mesmo assim, com extrema garra e muita perícia, a rapaziada brasileira conquistou a Chave Prata da competição e, de sobra, logo após o encerramento do mundial, em amistoso, derrotou sensacionalmente a equipe de Porto Rico que por sinal foi a campeã da Chave Ouro.

?Mais do que nunca vimos a qualidade dos nossos atletas. Passamos por cima dos favoritos ao título da Chave Ouro, pois apesar de ter sido em amistoso, derrotamos o poderoso Porto Rico, campeão desse mundial?, disse Fábio Koji Umehara, delegado da seleção brasileira.

Tanto isso é verdade que ao final do mundial, os organizadores do torneio entregaram à delegação do Brasil um ?Troféu Extra? em reconhecimento à ótima performance da equipe, que só não pôde competir nas seletivas da Ouro por um detalhe que impediu que a equipe brasileira chegasse a tempo de competir nos jogos iniciais.

Paraná contribuiu

O beisebol paranaense foi um dos que mais contribuiu com atletas e dirigentes nessa seleção brasileira.

Dez atletas e quatro dirigentes integraram a delegação do Brasil: de Curitiba – Caio Tomy Ono Kaminari, Guilherme Koji Takaki, Shudy Makino e João Pereira Francisco Marum. De Maringá – Diogo Henrique Nakaie, Emerson Seiti Kanawa e Nathan Liyodi Nariai. De Londrina – Diogo de Souza Vilera Lourenço, Mathaus Shinai Kreusch e Vitor Hideo Nasu. Dirigentes: João Nakaie, de Maringá, chefe da delegação; Lino Inoue, de Curitiba, técnico; Fernando Funami Yagura, de Londrina, e Massayuki Azeka, de Curitiba, auxiliares técnicos.