Muitos jogadores podem ser considerados heróis na conquista do acesso do Paraná Clube em 2017. Com um elenco barato – uma das menores folhas salariais da competição -, o Tricolor foi em busca de peças encostadas em outros clubes ou que estavam em divisões menores para reforçar o time. Um deles foi o zagueiro Iago Maidana, que chegou desacreditado e se tornou um dos grandes destaques deste retorno paranista à elite.

Apesar de ter apenas 21 anos, Maidana já passou por poucas e boas na carreira. Revelado pelo Criciúma, foi contratado pelo São Paulo em 2015. Uma negociação que chamou mais atenção nos bastidores, onde gerou uma enorme polêmica.

Na época, o defensor foi contratado por R$ 800 mil pela empresa Itaquerão Soccer, que o increveu no Monte Cristo, time da terceira divisão de Goiás. Só que dois dias depois teve 60% do passe repassado para o São Paulo, por R$ 2 milhões. O acordo é proibido por lei, uma vez que envolveu investidores nos direitos econômicos. O caso gerou uma repercussão enorme, culminando com a renúncia do presidente do Sâo Paulo, Carlos Miguel Aidar.

Ano foi especial para Maidana dentro e fora dos gramados, também com o nascimento da filha. Foto: Albari Rosa
Ano foi especial para Maidana dentro e fora dos gramados, também com o nascimento da filha. Foto: Albari Rosa

Para Maidana, sobrou o ‘afastamento’ no tricolor paulista. Encostado, ele ficou marcado dentro do clube pela questão contratual e foi repassado no início desde ano para o São Bernardo, onde jogou poucos minutos em uma única partida no Campeonato Paulista. Uma temporada que tinha tudo para ser perdida.

Em junho, o zagueiro foi anunciado pelo Paraná Clube por empréstimo até o final do ano. Era a chance da redenção, que só veio um mês depois, na troca do comando técnico, quando o técnico Cristian de Souza foi demitido e Matheus Costa assumiu interinamente, antes da chegada de Lisca. Na goleada por 4×1 sobre o Brasil de Pelotas, Iago Maidana ganhou a primeira chance e foi titular. Apesar de ter falahdo no gol do adversário, foi mantido na equipe e não saiu mais.

Forte na bola aérea, com seus 1,94m, zagueiro marcou cinco gols na Série B, marcando gols decisivos, como contra o Internacional. Foto: Albari Rosa
Forte na bola aérea, com seus 1,94m, zagueiro marcou cinco gols na Série B, marcando gols decisivos, como contra o Internacional. Foto: Albari Rosa

No total, foram 26 jogos, sendo 24 pela Série B e dois pela Primeira Liga, com cinco gols marcados, alguns decisivos, como na vitória por 1×0 sobre o Internacional, fechando um ano até então quase perdido, com o acesso do Tricolor à Série A depois de dez anos.

“Eu não imaginava isso no começo do ano, foi muito difícil pra mim. Eu acabei não jogando o Paulista, vim aqui como uma aposta e tive a oportunidade que o Matheus Costa me deu e a partir de agora na minha carreira tenho muito a agradecer a ele. Se o Matheus não me coloca pra jogar, eu não estaria jogando e fazendo essa história”, afirmou ele, que teve um 2017 inesquecível também fora de campo, com o nascimento da sua primeira filha no segundo semestre.

Motivos que fizeram ele agradecer, e muito, ao término do empate em 1×1 com o Boa Esporte. Pagando uma promessa feita ainda em Recife, após o 0x0 com o Santa Cruz, o zagueiro atravessou o gramado do Couto Pereira de joelhos.

“Eu fiz essa promessa contra o Santa Cruz. Se a gente subisse eu ia pagar essa promessa em casa. Esperava que fosse na Vila, mas o importante foi pagar a promessa. Cansado, mas foi na superação. Deus merece, eu fiz essa promessa e agora está tudo certo. Conseguimos atingir o nosso objetivo e agora é só comemorar”, revelou o atleta.

Agora, com contrato terminando, Maidana ainda não sabe o destino para 2018. Se depender da vontade própria, seguirá no Paraná Clube, mas ainda depende do aval do São Paulo, com o qual tem contrato até setembro do ano que vem.

“Já falei da minha vontade de ficar, mas não depende só de mim, mas do meu empresário e também do São Paulo. Agora vamos esperar para ver o que vai dar no ano que vem”, ressaltou o jogador, que, se não ficar no clube paulista, não quer ser emprestado a outro time que não seja o Paraná.