O Paraná acertou as pendências financeiras do ano passado. A informação foi revelada pelo juiz José Wally Gonzaga Neto, que publicou o documento de confirmação no Tribunal Regional de Trabalho da 9ª Região.

No protocolo, o juiz ainda destaca que o clube conseguiu quitar os salários atrasados mesmo sem ainda ter fechado com um parceiro para a terceirização do departamento de futebol.

“O clube executado honrou o pagamento dos salários atrasados do ano de 2019, mesmo sem ter conseguido, até o momento, finalizar a terceirização do setor de futebol, e que tem procurado todos os meios para continuar honrando seus pagamentos”, escreveu Neto. No total, o Paraná devia cerca de R$ 2,3 milhões de salários a funcionários.

O juiz também ressaltou que o Tricolor tem buscado algumas alternativas para acertar as pendências de 2020. “O clube requer a liberação do valor integral que foi depositado pela Confederação Brasileira de Futebol neste mês para finalizar o pagamento da folha e de algumas despesas de janeiro e de folha de fevereiro.

Os salários de março vencem na próxima semana. O que tem aliviado os cofres do clube neste ano foi a alternativa de trazer jogadores por empréstimo de outros times. No total são 13 jogadores que pertencem a outros clubes e que têm seus salários pagos por suas respectivas equipes.

São os casos dos goleiros Marcos (Goiás) e Filipe (Corinthians); os laterais Rafael França (Vasco) e Hulk (Atlético-MG); os zagueiros Everson (Portimonense) e Thales (Internacional); os volantes Gabriel Kazu (Tombense) e Kaio (Grêmio); os meias Michel (Cruzeiro) e Dudu (Vasco); e os atacantes Keslley (Tombense), Marcelo (Cruzeiro) e Gustavo Mosquito (Corinthians).

+ Mais do Tricolor:

+ Paraná reforça campanha de arrecadação para moradores da Vila Torres
+ Capitão do time, Fabrício mostra identificação com o Paraná
+ Ataque foi o ponto fraco do Paraná até a parada do futebol