Irregular, frágil e com muitos problemas na gestão do seu departamento de futebol, o Paraná Clube, depois de acumular alguns insucessos na disputa da Série B do Campeonato Brasileiro, traçou sua meta para a reta final da competição nacional. O Tricolor, com um risco pequeno de cair para a Terceira Divisão, vai buscar terminar a Segundona deste ano da melhor forma possível para apagar um pouco da campanha ruim realizada até agora no certame.

“Vamos viver jogo a jogo. Ainda tem bastante campeonato e a nossa meta a cumprir é literalmente se livrar do rebaixamento para, depois, galgar uma posição melhor e dar um caminho para o ano que vem. Eu queria estar vendo o Paraná lá em cima esse ano, mas agora é trilhar o caminho esse ano para o Paraná e do ano que vem não pode passar. Esse clube é muito grande e não pode passar do ano que vem (o acesso)”, apontou o atacante Lúcio Flávio.

No clube desde o ano passado, o camisa 9 paranista, que é o artilheiro do Tricolor na temporada com 15 gols marcados, dividiu a responsabilidade do fracasso entre elenco, diretoria e comissão técnica. O centroavante frisou que o Paraná tinha condiçõs de estar brigando na parte de cima da classificação.

“Quando você começa a procurar um erro, um culpado ou uma situação do porque aconteceram as derrotas é muito difícil. Todo mundo tem uma parcela. Os jogadores, a comissão, a diretoria, todos nós erramos. Claro que todo mundo fica frustrado um pouco porque em alguns jogos que fizemos no campeonato demonstramos que teríamos plenas condições de estar brigando pelo G4, mas agora passou”, emendou.

O time paranista tem pequenas chances de ser rebaixado, mas uma derrota para o Joinville, fora de casa, neste sábado (15), pode reaproximar o clube da zona de rebaixamento de forma perigosa. Isto porque a sequência da equipe é difícil e o Tricolor terá pela frente, na próxima rodada, o Vasco, no jogo que seria em casa, mas acontecerá em Cariacica, no Espírito Santo, com maioria da torcida do time cruzmaltino.