Irregular durante o primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro e distante do G4 da competição nacional – são seis pontos de diferença para o quarto colocado -, o Paraná Clube sentiu, nesta primeira parte da Segundona, a necessidade de contar com um elenco com mais opções. Depois do revés sofrido para o Tupi, na última terça-feira, em Juiz de Fora, o técnico Marcelo Martelotte manifestou sua vontade de ver seu elenco mais forte para a sequência da Segundona, mas admitiu que dificilmente isso deverá acontecer.

“A gente ainda não teve uma conversa definitiva. A princípio existe uma possibilidade de confiar nesse grupo, nas possibilidades. Lógico que qualquer equipe, em qualquer nível, pode ser reforçada, se você perguntar para o técnico do Real Madrid, o Real Madrid está contratando”, explicou o treinador.

Porém, o Tricolor deve esbarrar na sua delicada situação financeira e na falta de opções no mercado para conseguir reforços à altura e capazes de ajudar o time a conseguir o acesso para a Série A. Por isso, resta a Marcelo Martelotte confiar no atual grupo do Paraná para buscar o acesso depois de nove participações seguidas na segunda divisão.

“Lógico que o Paraná pode ser mais forte com algumas contratações, mas não adianta dar passo maior que a perna, nossa realidade nesse momento é acreditar que esse grupo pode brigar pelo acesso. A partir do momento que se mostre o contrário no segundo turno, vamos trabalhar com a realidade. A realidade hoje é que eu confio nesse grupo. Temos que trabalhar com a realidade do clube”, acrescentou o comandante paranista.

Com duas semanas até o próximo jogo, o técnico Marcelo Martelotte pode contar com pelo menos uma novidade para encarar o Brasil de Pelotas, dia 19, na Vila Capanema. O atacante Fernando Karanga, que se destacou nas últimas temporadas pelo Boa Esporte e estava atuando no futebol coreano, já está treinando e aguarda ser regularizado na CBF para ficar à disposição do treinador.

Este tempo a mais para treinar, a partir de segunda-feira, já que o elenco ganhou folga nesta semana, foi comemorado por Martelotte. Segundo o treinador, é um tempo precioso e que servirá para trabalhar situações ainda não passadas para o elenco paranista desde a sua chegada ao clube, em junho.

“Mesmo com tempo de treinamento que tivemos, não fizemos nenhuma mudança tática radical porque não tinha a necessidade e não é o motivo dos resultados que não vieram. Sequências de novo vão acontecer e a gente espera já iniciar bem o segundo turno e ir buscar. Temos que pensar jogo a jogo e entendo que a gente precisa encarar com caráter mais decisivo cada partida. A gente tem que entender quanto é importante cada partida e depois pensar em um número final”, concluiu o treinador.

Leia mais sobre o futebol paranaense na coluna do Mafuz!