O Paraná Clube, sem vencer na Série B do Campeonato Brasileiro há quatro rodadas e vindo de uma goleada sonora de 5×1 sofrida para o Náutico, no último sábado (11), na Arena Pernambuco, em Recife, decidiu adotar a lei do silêncio neste início de semana e no dia que antecede o duelo contra o Goiás, terça-feira (14), às 19h15min, na Vila Capanema. O clube, sem uma justificativa plausível, cancelou a janela de imprensa que aconteceria na tarde destasegunda-feira (13), no local da partida.

Depois de confirmar, no domingo (12), a janela de imprensa na Vila Capanema, a assessoria de imprensa do Paraná, alegando problemas com logística, cancelou as entrevistas pré-jogo e confirmou o treino fechado no CT Ninho da Gralha, em Quatro Barras. O centro de treinamentos paranista, que inclusive está sendo utilizado desde o início da Série B, segue sendo protegido pelo clube por motivos desconhecidos, já que em nenhuma oportunidade a imprensa acompanhou alguma atividade no local.

Isso mostra que o clima no Tricolor é de pressão, sobretudo pela atuação desastrosa e da goleada sofrida para o Náutico. O time paranista, com o revés, ficou ainda mais distante do G4 e, se não vencer o Goiás, pode se aproximar perigosamente da zona de rebaixamento.

A lei do silêncio foi uma imposição da própria cúpula paranista e não um pedido da comissão técnica liderada por Claudinei Oliveira. “Hoje é dia de trabalhar, não de falar”, anunciou o departamento de comunicação paranista.

Time

O trabalho no CT Ninho da Gralha será o único antes da partida. O técnico Claudinei Oliveira ainda não deverá contar com o lateral-esquerdo Rafael Carioca, com o volante Lucas Otávio e com o meia Nádson, mas pode tero volante Jean como principal reforço. Assim, além da volta de Jean e da saída de Basso da equipe, o atacante Henrique pode ganhar uma oportunidade no setor ofensivo no lugar de Marcelinho.