Nelinho entra na zaga ao
lado de Fernando Lombardi.

O Paraná Clube parte para o seu mais difícil compromisso neste Brasileirão. Sustentado pelos bons resultados obtidos em casa, o time de Paulo Campos tenta “derrubar” o líder São Paulo, amanhã, no Morumbi. Um resultado positivo representaria o fim da instabilidade que acompanha o Tricolor nos jogos disputados na condição de visitante. As goleadas sofridas para Vitória e Juventude foram administradas, mas o grupo reconhece que somente haverá serenidade plena a partir de um bom resultado fora.

“É o que nos falta. Já mostramos a nossa força no Pinheirão e somando pontos também na casa do adversário vamos subir muito na classificação”, acredita o centroavante Galvão. Com quatro gols, ele é o artilheiro do clube na competição, mas só balançou as redes no Pinheirão. “Nosso time cometeu erros nas primeiras rodadas que não vão se repetir. Os treinamentos dessas últimas semanas foram muito importantes para que encontrássemos o ponto de equilíbrio”, disse o volante Beto.

A estratégia do Paraná será: primeiro marcar (e com muita força) os pontos fortes do São Paulo, mas sem abdicar do ataque. Paulo Campos analisou atentamente a postura do Rosario Central no jogo da última quarta-feira, pela Libertadores. “Eles pecaram ao não jogar. Ficaram apenas na marcação e pouco finalizaram”, disse o treinador. “Temos, é claro, que marcar. Mas, é importante que o São Paulo também tenha preocupações com o nosso ataque, senão seremos sufocados”, explicou.

O time foi definido com duas novidades. Nelinho substitui Carlinhos, suspenso, e Edinho estréia na lateral-esquerda. O fato de mexer em todo o lado esquerdo defensivo não preocupa Campos. “O Nelinho, mesmo jovem, já fez grandes jogos contra Coritiba e Atlético (no paranaense) e diante do Santos. Não tenho receio de utilizar jogador jovem, desde que este tenha qualidade. E é o caso do Nelinho”, comentou. Para o zagueiro, a eventual falta de entrosamento é compensada com atenção redobrada. “Eu e o Carlinhos treinamos pouco antes do campeonato e fizemos um bom jogo contra o Santos”, lembrou.

O time – mesmo com alguns jogadores gripados – foi definido no apronto de ontem à tarde, com Flávio; Cláudio, Fernando Lombardi, Nelinho e Edinho; Axel, Beto, Wiliam e Fernando; Wellington Paulista e Galvão.

No banco, são boas as opções

Três jogadores que iniciaram o campeonato brasileiro como titulares estarão, amanhã, no banco de reservas. O lateral-esquerdo Wesley foi o último a perder a posição. Sua saída foi justificada por uma contratura muscular que impediu sua presença na maior parte dos treinos da semana. “O Edinho foi bem e, pelo que sentimos, está mais inteiro que o Wesley”, explicou Paulo Campos.

Além do ala, o meia Jean Carlo e Adriano também serão opções. Jean saiu do time devido à expulsão em Caxias do Sul e com um bom rendimento frente ao Cruzeiro (e ele já havia jogado bem contra o Flamengo), Wiliam se garantiu no time. “O importante é que temos hoje um grupo mais forte do que aquele que iniciou a competição”, comentou o treinador. Outra novidade é o zagueiro Gélson Baresi, que só foi reintegrado ao grupo (após longo período discutindo ajustes no seu contrato) na semana passada.

Os demais integrantes do banco são o goleiro Darci, o volante Goiano e o meia-atacante Da Silva.